Acelerar no 5G, travar no alcatrãopremium

A decisão recente do governo, de desviar os primeiros 143 milhões de euros das verbas provenientes do leilão 5G para a construção de estradas é errada, e mais do que isso, é sintomática.

Deverá a nova economia financiar as velhas opções? Vamos continuar a olhar pelo espelho retrovisor, em vez de preparar o futuro? Estamos condenados a repetir as escolhas das últimas décadas ou, ao invés, conseguiremos abrir novos horizontes? Faz sentido falhar os compromissos assumidos com a transição digital para financiar estradas? A Estratégia Nacional do 5G previa destinar as receitas da atribuição de frequências a projetos de estímulo à transição e inclusão digital. Um caminho estratégico com toda a lógica. Envolver o setor, preparar novos patamares de serviços, gerar oportunidades para as empresas e os utilizadores relacionados com este entusiasmante processo de transformação. O plano estava correto, era apelativo, mas, mais uma vez, falha na execução, é adulterado na implementação,

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos