Algoritmos homicidaspremium

Foi preciso morrer uma adolescente para que finalmente se reconheça o efeito nefasto dos algoritmos criados pelas redes sociais.

Pela primeira vez, um tribunal confirmou que uma adolescente morreu por causa do conteúdo nefasto que as redes sociais empurravam na sua direção. Durante meses, uma jovem de 14 anos do Reino Unido recebeu milhares de conteúdos que exploraram a sua ansiedade até a transformar em depressão e a encaminharam para o suicídio. Nos seis meses anteriores à morte, a jovem recolheu no Pinterest centenas de postsrelacionados com depressão e maus tratos auto-infligidos; no Instagram, gostou, guardou, gostou e partilhou mais de 2100 conteúdos relacionados com depressão e suicídio - e a sua última ação foi guardar um post relacionado com a depressão. Mas a causa da morte, agora definida pelo tribunal, não foi suicídio: foi homicídio por algoritmos. O caso remonta a 2017 mas só esta semana o tribunal

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos