As frontliners. Os “Nick”. E a Economia da Atenção.

Se há um novo comportamento que sai connosco à rua, depois do confinamento, é a exigência que se faz às marcas de que, mais do que mensagens, passem à ação

Aproprio-me de uma expressão onde cabe tudo (ou quase tudo) para falar primeiro das marcas. Chamo Frontliners às que entendem o sentido de estar na linha da frente. Ou pelo menos a urgência. Em tempos — presente e futuro — que se definem por hashtags como #BlackLivesMatter são as que, como já li, não recorrem a eventos trágicos para melhorar a sua “social equity”. Com os #, ouvimos as vozes. Das pessoas. No momento. Sem filtro. E mais do que nunca, é preciso ter voz.

A questão é, quantas marcas ouvimos atualmente a ter voz, a fazer-se ouvir e no tom certo? E mais do que voz, a ter ação. Se há um novo comportamento que sai connosco à rua, depois do confinamento, é a exigência que se faz às marcas de que, mais do que mensagens, passem à ação. E ação não é fazer um post nas redes sociais com o hashtag do momento. Já não chega. As pessoas que felizmente já são vistas como mais do que meros consumidores, exigem mais. Exigem marcas cívicas, o tal propósito de que tanto se fala, que vejam para além do lucro ou do que “ganham” com a associação a determinada causa. Mainstream? “This isn’t a time to do the popular things – but to do the right things”, não posso estar mais de acordo com Martin Raymond…

Das marcas às pessoas. Ou seja, os “Nick”. Ficámos – pelo menos eu fiquei – esta semana a saber quem são. Na sequência de uma publicação na sua página de Instagram, com flores, cores e palavras simbólicas de Maya Angelou ao estilo de uma “call for equality”, a marca norte-americana Anthropologie foi “atacada” por comentários variados, desde opções políticas, fornecedores pouco éticos, e pela voz de ex-colaboradores que nos apresentaram então os “Nick”, alegadamente o código secreto que ouviam nos seus headsets para definir um grupo de consumidores assim que entravam nas suas lojas e a quem deveriam estar atentos… “I thought Chicago was the only ones who used “Nick” as a form of saying whatch the black woman who just walked in”… lê-se no repost feito pela @Diet_Prada.

E há depois os comentários dos próprios consumidores que confirmam sentirem-se “seguidos” durante as suas experiências de compra em lojas da Califórnia até Chicago… E não chegasse a descoberta deste código interno – que a marca veio desmentir, vieram também outras vozes, mais uma vez a pedir ação. A questionar se a marca está a fazer algum donativo, a apoiar alguma comunidade, “Where is the ACTION” lê-se em caixa alta, para que seja ouvido bem alto. Dias depois surgia uma nova publicação no Instagram da marca: “Estamos a ouvir. Estamos a aprender. Estamos a agir” e a revelar as ações em particular em Filadélfia, onde tem as suas origens e a sede.

Marcas. Pessoas. E economia. Um ecossistema complexo, mais numa altura de mudanças profundas e em que o mercado fala da Economia da Atenção. Aquela que mede a nossa atenção face à publicidade e de como pode ajudar a trazer mais transparência às métricas. “Human attention, as a measure of effectiveness, is fast becoming a unit of trade” diz a Warc.

Voltarei a ela. Neste CON (texto) é apenas uma layer, para mostrar que o mercado está atento, a evoluir e a inovar. Mas é também uma forma de questionar a importância das métricas, quando as vozes estão aí. Talvez o que falte às marcas seja no fundo, também mais atenção.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As frontliners. Os “Nick”. E a Economia da Atenção.

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião