Defender Assange, apesar de tudopremium

O líder do Wikileaks é uma personagem pouco recomendável, mas isso não impede que este processo tenha de ser denunciado pelo caráter anti-democrático que denota.

Na sexta-feira, um tribunal britânico decretou que Julian Assangepoderá ser extraditado para os Estados Unidos para responder pela publicação de informações classificadas como secretas. A Amnistia Internacional foi rápida a contextualizar devidamente o sucedido, afirmando que esta é uma “justiça travestida”. Endentamo-nos: Assange é uma figura desprezível a quem poucos se quererão associar. Teve ligações ao grupo Cambridge Analytica, que manipulou eleições em várias partes do mundo; espalhou teorias da conspiração para beneficiar Trump; andou a oferecer segredos à Fox News para promover a sua agenda; recebeu documentos roubados por hackers russospara influenciar as eleições americanas; expôs os dados pessoais de centenas de homossexuais e doentes de HIV na Arábia Saudita; e ainda

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos