Dissecar o Nónio

Um registo de dados que fornece publicidade personalizada está a ser bombardeado com críticas - e fornece um belo retrato do panorama dos média digitais em Portugal.

Para quem não sabe, o Nónio pretende ser um sistema de registo unificado para os média digitais portugueses. A ideia é que o perfil de cada utilizador seja partilhado pelos títulos, de forma a poderem direcionar a publicidade e cobrarem mais pela mesma. Esta é a explicação técnica simplificada, mas o que justifica este texto é que o Nónio é um fantástico estudo de caso da comunicação social portuguesa e dos seus consumidores. Em nome da transparência, alerto que participei naquela que creio ter sido a única reunião do comité editorial do Nónio em representação do Público (e naturalmente que nada do que se segue contém informação confidencial, apenas dados públicos acessíveis a qualquer utilizador de internet).

O atual modelo de negócio da internet exige que se faça dinheiro quase só de duas formas: ou através de publicidade ou através da assinatura. Como a taxa de adesão a assinaturas é muito baixa, resta a publicidade. O negócio é dominado pelos gigantes da internet que produziram produtos gratuitos que exploram a privacidade de cada utilizador para lhes direcionar publicidade e enriquecer brutalmente com isso.

O Nónio visou replicar experiências bem sucedidas noutras paragens (de que o melhor exemplo será a Escandinávia) e tentar aumentar as receitas dos meios. Mas sofre de vários problemas, que são sintomáticos do estado da comunicação social portuguesa.

Desde logo, o Nónio nasceu com cinco anos de atraso, porque uma ideia que faria sentido em 2012 chega tarde e mal apresentada é apenas sinal da má gestão da maioria dos média; a coisa foi tão mal gerida que nem ocorreu a ninguém registar o endereço nonio.pt antes de divulgar o projeto, e hoje esse link corresponde ironicamente a uma campanha anti-Nónio; depois, porque se sabe desde o início que a coisa só faria sentido se todos aderissem, o que não foi conseguido (e é sintomático que os dois órgãos mais notáveis que não aderem sejam o Observador e o ECO, projetos digitais com uma administração moderna e que não arrastam consigo uma subserviência administrativa às direções comerciais); para piorar, como é típico no mundo digital português, o projeto não foi devidamente testado junto de consumidores e por isso há tantas críticas ao seu uso ineficiente; depois, porque o projeto foi mal comunicado e mal explicado aos utilizadores, típico também da arrogância e desorganização com que se tratam os consumidores dos produtos informativos em alguns meios de comunicação; como todos os projetos onde tantos meios enterraram dinheiro ao longo das últimas duas décadas em busca do Graal digital, é um projeto que não é testado nem avaliado e duvido muito que alguém nos média queira saber quantos clicks perderam por causa disso.

Convém dizer que, apesar de ter sido apoiado pelo Google, o projeto implicou um compromisso financeiro muito pesado para os meios que participam, o que ajuda a explicar a recusa em analisar um eventual fracasso. Pior que tudo é que a plataforma não está sequer plenamente operacional e alguns operadores não têm acesso nem sabem rentabilizar o potencial dos dados disponibilizados (algo que se comprova facilmente pela necessidade de fazer múltiplos logins quando se salta de título em título e pela falta de publicidade direcionada).

Se algum dia o Nónio desse o passo seguinte a coisa seria mais grave: a plataforma prevê personalizar não só a publicidade mas também os conteúdos, aumentando o risco de exposição seletiva a determinados tipos de notícias (o famoso efeito bolha que foi cunhado por Eli Parisier).

Mas todos os erros do Nónio são fruto de um ecossistema mediático comprometido em Portugal, de que os consumidores são também grandes responsáveis. Tudo o que os meios de comunicação social fazem é passível de uma crítica pública e corrosiva. O insulto é prática corrente, ajudando a degradar uma profissão à qual depois exigem um comportamento irrepreensível.

A lógica dos “treinadores de bancada” que existia no futebol propagou-se para “jornalistas das redes sociais”, gente que não percebe nada de jornalismo e não contribui para o espaço público mas sente-se no direito de criticar todo o jornalismo produzido. É uma espécie extraordinária: não paga, não consome e exige que os meios de comunicação sejam cada vez melhores e que se mantenham gratuitos – pior, exige que exista informação para que toda a sociedade possa ter acesso a informação de qualidade e faça as escolhas certas, mas não quer comprometer empenho ou dinheiro nisso.

Este utilizador português que critica o Nónio é o mesmo que nem pensa na exploração de privacidade que o Google e o Facebook fazem diariamente, sendo essas incomparavelmente mais graves que qualquer meio de comunicação alguma vez poderia fazer. É o mesmo que não dá um tostão aos média mas não entende como o jornalismo está em crise e como é que não tem a informação que acha que necessita no momento em que ela devia chegar. Pior, alinha no discurso do “eles são todos iguais” para degradar o espaço público, abrindo inconscientemente caminho a plataformas de notícias falsas que põem em causa a coesão social.

A coisa seria cómica, se não fosse trágica. Imagine ir a um supermercado e, enquanto está na fila, vê alguém passar sem pagar pelas caixas, enquanto vocifera contra os operadores de caixa por pedir e aceitar dinheiro de alguns clientes. Esse louco tem a postura típica do consumidor de comunicação social em Portugal. Quando a qualidade e diversidade da informação cair ainda mais e as consequências se começarem a sentir na democracia, talvez aí percebam o mal que fizeram durante décadas – e a falta que faziam os bons meios de comunicação com bons jornalistas, com Nónio ou sem Nónio.

Ler mais: Sobe este tema vale a pena ler o Innovators in Digital News, que faz uma comparação muito interessante entre redações tradicionais (New York Times, Guardian, etc.) e novos média (Buzzfeed, Vice, etc). A autora é especialista em liderança, estratégia e inovação nos media e uma das vozes mais respeitadas do mundo nesta área. Estranhamente o livro não tem edição digital, mas existe um relatório para o Reuters Institute produzido pela autora que resume algumas das ideias lá contidas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Dissecar o Nónio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião