Do fim do princípio para o princípio do fim? O papel dos adultos jovens

Levantar a quarentena de forma gradual para os mais jovens não implica relaxar as exigências em termos de distanciamento físico/social ou de higiene individual para esse grupo.

Agora que se vislumbra alguma desaceleração do crescimento da pandemia em Portugal, torna-se fundamental começar a pensar na saída desta crise. Os elevados custos económicos e sociais da quarentena e dos estados de emergência já não serão evitáveis – mas podem ainda ser minorados, nomeadamente com um planeamento rigoroso da próxima fase da crise.

O mercado de trabalho exemplifica bem a importância deste planeamento. Até quando um lay-off é preferível a despedimentos para uma empresa se não houver um horizonte de retoma da atividade? Para quê manter os planos de recrutamento ou de renovação de contratos sem perspetivas de recuperação? Parte da redução dos efeitos negativos da crise passa precisamente pela criação de perspetivas realistas de recuperação, reduzindo a incerteza atual que é tão inimiga do crescimento.

Como, então, ultrapassar o bloqueio atual? Parece incontornável ter em conta as grandes diferenças dos efeitos da Covid19 associadas à idade de cada pessoa, nomeadamente entre aqueles com entre 20 e 30 ou 40 anos e entre os mais velhos.

Por um lado, o da saúde, o primeiro grupo, os “adultos jovens”, são a parte da população que menos sofre com a Covid19. Por exemplo, o rácio entre mortes e infetados para o grupo etário entre os 20 e 29 (ou para os 30-39) anos está atualmente estimada em 0,2%. Além disso, estes valores baseiam-se nas infeções verificadas, que provavelmente subestimam em muito o verdadeiro valor de infeções, levando a taxas efetivas mais baixas.

Por outro lado, o da economia, são os adultos jovens os mais prejudicados pela crise e pela quarentena. São estes os primeiros a deixarem de ser contratados e os primeiros a serem despedidos, dada a segmentação do mercado de trabalho em Portugal. São também os trabalhadores com menores perspetivas de teletrabalho (link). São ainda aqueles que, em geral, têm menos poupanças e mais encargos familiares – e também por aqui mais expostos às restrições atuais ao trabalho.

Trata-se ainda de um grupo etário com expressão na economia portuguesa e cujo regresso alargado ao mercado de trabalho poderia desacelerar a recessão que se adivinha. De acordo com a análise que desenvolvi dos dados disponíveis de 2017 para o setor privado, o grupo etário 18-29 representa mais de 540.000 trabalhadores por conta de outrem.

Tendo ainda em conta as remunerações destes trabalhadores e o perfil das suas empresas, bem como outras hipóteses de análise, o seu regresso poderia fazer a atividade económica (VAB) crescer em mais de 700 milhões de euros por mês, a partir já desde maio ou junho. (Outra perspetiva implica que, por cada mês que este regresso ao trabalho é adiado, a economia perde este valor, com os reflexos inerentes em termos de menores remunerações, lucros, impostos e segurança social.)

Em função dos resultados deste primeiro grupo, seguir-se-ia – em junho ou mais tarde – um alargamento do relaxamento da quarentena para grupos etários mais velhos, como os 30-39, em primeiro lugar, e os 40-49, posteriormente. O contributo para a atividade económica destes grupos seria ainda mais valioso – 960 milhões de euros por mês para o grupo etário dos 30 aos 39, por exemplo.

Claro que este levantamento gradual da quarentena não está isento de questões práticas que é necessário preparar. Por exemplo, algumas empresas terão dificuldade em funcionar só com os seus trabalhadores mais jovens (mesmo com os restantes em teletrabalho). Outras empresas poderão não ter interesse em reabrir a sua atividade enquanto a quarentena não for levantada de forma completa. Mas na maioria dos casos esta solução gradual e direcionada representará um mecanismo importante para o relançamento económico, possivelmente até dinamizando a contratação de jovens.

Levantar a quarentena de forma gradual para os mais jovens não implica relaxar as exigências em termos de distanciamento físico/social ou de higiene individual para esse grupo. Pelo contrário, poderá inclusive até ser necessária uma atenção especial aos indicadores de saúde daqueles que regressam ao trabalho nas empresas.

Levantar a quarentena desta forma também não implica relaxar as restrições apertadas junto dos grupos etários mais suscetíveis no quadro da pandemia. Mas implica deixar de colocar obstáculos ao trabalho fora de casa a um grupo alargado da população. Grupo esse que, de outra forma, será precisamente o mais prejudicado economicamente – apesar de ser a parte da população menos afetada ao nível da sua saúde.

  • Colunista convidado. Professor de Economia no Queen Mary College, Universidade de Londres

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Do fim do princípio para o princípio do fim? O papel dos adultos jovens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião