E que tal estrangeiros na administração da Caixa? E do Banco de Portugal?

A CGD dificilmente poderia ficar mais bem entregue com Paulo Macedo. Mas depois de tudo o que se passou, não seria o momento para contratar estrangeiros, para a banca e para a supervisão?

António Domingues demitiu-se da presidência da CGD e será substituído por Paulo Macedo. Dificilmente a CGD poderia ficar melhor entregue, tendo em conta o currículo e a competência demonstrada por onde passou Paulo Macedo. No entanto, depois de toda esta polémica, e de tudo o que se tem passado no sistema financeiro português e da falta de eficácia da regulação, é impossível não perguntar: Será que não é altura de variar e contratar estrangeiros para a gestão da banca? E porque não também para os reguladores, a começar pelo banco central?

Eu diria que sim por três motivos:

  1. Apesar dos variados elogios feitos antes, durante e depois da crise, o setor financeiro português é, dentro da Zona Euro, dos que está em pior forma. Poucos países precisaram de país de mobilizar tantos recursos para os seus bancos desde 2008. E os que o fizeram, foi principalmente ou devido a grandes bolhas imobiliárias (Irlanda) ou devido a reestruturação da dívida (Grécia).
  2. A regulação dos maiores bancos portugueses já é feita a um nível europeu pelo Mecanismo Único de Supervisão (BCE). E mesmo os bancos de menor dimensão estão sujeitos a regras comuns. Ou seja, se a estrutura já é e europeia e as regras também, porquê manter a exclusividade no que diz respeito à gestão (dos bancos e dos reguladores).
  3. Não é de todo algo novo, nem deve ser visto (como provavelmente seria) como algo desprestigiante ou um sinal de falta de “progresso” do país. Vários países (principalmente anglo-saxónicos) já o fizeram: o caso mais exemplar é o do Reino Unido em que não só o governador do Banco Central (um dos mais antigos e prestigiados do mundo) é canadiano, mas também o presidente de um dos principais bancos é… português. Mas há mais exemplos: no caso dos bancos centrais, um dos vice governadores do Banco Central da Irlanda é francês, e nos Estados Unidos, a FED tem um Vice Governador Sul Africano e que até já foi governador do Banco Central de Israel. E ainda no caso dos bancos privados, os maiores bancos privados do Chipre, depois da crise de 2013, contrataram equipas de gestão em alguns casos maioritariamente estrangeiras e de varias nacionalidades.

Ou seja, neste caso, como em vários, não fará sentido pensar em mudar de hábitos? Por muita competência e boa vontade que exista por parte dos gestores, existem sempre relações pessoais ou profissionais do passado que podem atrapalhar.

A CGD ficará seguramente muito bem entregue a Paulo Macedo. No entanto, esta teria sido uma boa oportunidade para recomeçar do zero e com elementos da gestão completamente de fora do sistema. E isto ainda é mais evidente no caso Banco de Portugal.

Depois dos vários casos dos últimos anos, das falhas (já assumidas) de regulação e tendo em conta que neste momento o Mecanismo Único de Supervisão tem a competência exclusiva sobre as principais entidades, não seria esta uma boa oportunidade para pensar fora da caixa e recrutar no mercado internacional para as próximas vagas na administração, a começar pelo vice-governador?

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

E que tal estrangeiros na administração da Caixa? E do Banco de Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião