Caixa: Prejuízos entre dois e três mil milhões de euros

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 3 Dezembro 2016

Dados constam do plano estratégico elaborado pela administração de António Domingues.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai fechar as contas de 2016 com prejuízos entre dois e três mil milhões de euros, noticia o Expresso (acesso pago).

Os dados constam do plano estratégico elaborado pela administração de António Domingues, que resulta do acordo com a Comissão Europeia e com o Banco Central Europeu: assumir as perdas este ano para libertar os próximos, diz o semanário. Ainda que a nova administração tenha espaço para mudar medidas, o sentido do acordo internacional mantém-se, até porque dele depende o aumento de capital.

Este só não é o maior prejuízo na história da banca portuguesa, porque o BES já apresentou perdas de 3,57 mil milhões de euros.

O valor final só ficará abaixo dos três mil milhões de euros por efeitos fiscais. Como? De acordo com a notícia publicada neste sábado, além das perdas do ano, a Caixa vai contabilizar imparidades relacionadas com o passado assumindo perdas em créditos que têm pouca probabilidade de serem pagos. O valor final das imparidades aproxima-se do montante que o Estado prevê injetar (2,7 mil milhões de euros). Portanto, a CGD fica “limpa” e prevê lucros no próximo ano.

Os lucros continuam nos anos seguintes e em 2020 atingirão 670 milhões de euros. O Estado vai então receber dividendos — nesse ano a rentabilidade do capital será de 9% — mas, até lá, é preciso cortar custos e aumentar receitas. Entre 2017 e 2020 deverão sair 2.240 pessoas do banco, diz o plano recentemente apresentado às direções internas da Caixa. Acrescem as 490 saídas em 2016. Mas aqui estão apenas incluídas pré-reformas e reformas. Do encerramento de 180 balcões até 2020 poderão resultar rescisões pontuais.

Por outro lado, o produto bancário será de quase mil milhões de euros em 2016, subindo, de acordo com o plano, até 1,75 mil milhões de euros em 2020. O crescimento médio de 15% em cada um dos quatro anos resulta do aumento de comissões aos clientes e spreads no crédito. Já as taxas pagas nos depósitos vão baixar, diz o Expresso. Além disso, o plano prevê a venda de operações em Espanha, Brasil e África do Sul e encerramentos em Nova Iorque e Londres.

Falta agora saber se o novo presidente, Paulo Macedo, vai manter o mesmo projeto ou se poderá adaptar os meios para atingir os mesmos objetivos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa: Prejuízos entre dois e três mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião