E que tal tentar reduzir a dívida antes de pedir para reestruturar?

Não é preciso muito para a dívida ser sustentável… basta que a economia cresça (mesmo a um ritmo anémico) e que o saldo primário se mantenha.

Na última semana foram escritos vários artigos que analisaram, as várias propostas do grupo de trabalho. No entanto, o argumento base do documento tem sido pouco rebatido (com a exceção deste artigo do Luis Aguiar Conraria no Observador): Portugal não consegue reduzir a sua divida sem um plano de reestruturação porque simplesmente o esforço orçamental é impraticável e é impossível manter excedentes primários tão elevados porque nunca ninguém o fez.

Diz o relatório que nenhum país conseguiu manter excedentes orçamentais acima dos 2% do PIB com crescimentos abaixo dos 4% e João Galamba escreveu há duas semanas no (Expresso) que não há registo de outros países terem seguido tal politica [saldos primários elevados].

Ora, embora cumprir à risca os objetivos europeus seja uma missão difícil, não é impossível. E embora episódios semelhantes sejam de facto muito raros, já ocorreram no passado, e os países que o fizeram ainda beneficiam da reputação que ganharam. O caso europeu mais extremo é o da Bélgica e por isso também o mais comparável com Portugal: entre 1994 e 2007, a dívida publica belga passou de 138% do PIB, para 87%. Durante esse período, a Bélgica registou sempre excedentes primários (em média 4.5% do PIB).

Normalmente há quem argumente que este episódio não é comparável com Portugal: ou porque o crescimento nominal global nos anos 90 e 2000 era maior ou que o resto da Europa crescia mais. Neste caso, em bom rigor, ambos os argumentos estão corretos e basta ver que o crescimento nominal médio belga neste período – perto de 4,5% foi maior do que aquele que parece ser expectável para Portugal nos próximos 13 anos.

No entanto há outra grande diferença em relação a esse período, que é raro ser mencionada e é bastante benéfica para Portugal: as taxas de juro estão muito mais baixas agora do que em qualquer período anterior – a dívida portuguesa tem agora uma taxa de juro implícita de 3,5%, e a dívida belga teve uma taxa de juro implícita média 6% durante o seu ajustamento. É certo que as taxas foram sempre descendo durante esse período, mas de qualquer forma, em 2007 a Bélgica ainda tinha de suportar juros perto dos 5%.

Fazendo então um exercício simples, chega-se à conclusão que embora não seja fácil imitar a Bélgica, não é difícil fazer parecido e ainda assim reduzir a divida (isto não é de todo uma previsão mas antes uma análise de sensibilidade).

Assumindo que as taxas de juro não se alteram, admitindo que o excedente primário esperado para 2017 (3% do PIB) se mantém (ou seja, sem mais austeridade) e assumindo um crescimento nominal de 3,5% (2% de crescimento real e 1,5% de inflação), a divida desceria para perto de 90% do PIB em 2029: uma redução de 40 pontos percentuais, numa média de por ano.

Se formos mais realistas, e contarmos com uma subida dos juros médios da nova divida emitida para 5% (ou seja, uma subida de 150 pontos base ao longo de toda a curva), mantendo os outros pressupostos, ainda assim a divida em percentagem do PIB diminui cerca de 30 pontos percentuais até 2029. Esta reduzida sensibilidade aos juros pode ser surpreendente, mas é simplesmente um reflexo do aumento da maturidade da divida. Só se os juros da nova divida subirem para lá dos 6% é que a redução da divida começa a ser mais lenta.

Ou seja, não é preciso muito para a dívida ser sustentável… basta que a economia cresça (mesmo a um ritmo anémico) e que o saldo primário se mantenha. Claro que é preciso mais para cumprir a regra europeia da redução da divida para os 60% do PIB em 20 anos. Nesse caso, o superavit primário teria de chegar aos 3,5% do PIB, ou 4%, assumindo a mesma subida dos juros. Mas caso Portugal consiga reduzir a sua divida em mais de 30 pontos do PIB, dificilmente a Comissão ou a Alemanha se irão preocupar com uns “trocos” – como aliás já ficou claro na ausência de sanções e na atitude europeia face á Grécia.

Há, no entanto, em toda esta análise um pressuposto irrealista: muito provavelmente, no horizonte destes cenários, deverá haver uma recessão na Europa e por arrasto em Portugal, daí que é exagerado assumir que o crescimento e os saldos primários se mantêm praticamente constantes. No entanto, não só as regras europeias são já suficientemente flexíveis para o acautelar, como também o BCE deverá novamente apoiar os mercados de dívida pública. Mas em ultima análise, quanto mais tempo passar até à próxima recessão, mais tempo teremos para continuar a fazer o trabalho de casa.

Claro que qualquer ajuda que possa vir da Europa – quer sejam extensões de maturidades, alguma mutualização de dívida ou até redução de juros (hipótese menos provável) será sempre bem-vinda e ajudará nesta missão quase impossível – mas a melhor solução é mesmo continuar a fazer o que foi feito desde 2011. Não há almoços grátis, e qualquer ajuda terá algum custo: ou mais condições ou maior controlo externo. E agora até basta fazer bem menos do que foi feito até aqui. Parte do esforço já foi feito e agora praticamente basta não alterar muito mais.

Não há melhor exemplo disto do que os últimos meses: o crescimento tem vindo a surpreender, o défice (ainda que de uma forma pouco sustentada) desceu em 2016, as dúvidas sobre o sistema financeiro diminuíram e Portugal vai sair do Procedimento por Défice Excessivo. Resultado: as yields (e os spreads) têm descido, e, a julgar pelas ultimas noticias da imprensa financeira internacional, Portugal parece voltar a despertar o interesse dos investidores internacionais.

O caminho não é fácil, e até é possível que Portugal necessite de mais apoio, mas será sempre mais fácil evitá-lo se fizer pelo menos parte do esforço já que a reputação compensa e os mercados e as agencias de rating até são menos exigentes do que as regras Europeias. Nisto a Bélgica também serve de exemplo: depois do que fez há mais de 20 anos, as suas yields foram das que menos subiram na crise do euro, mesmo estando largos meses sem governo e tendo novamente uma divida publica elevada.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

E que tal tentar reduzir a dívida antes de pedir para reestruturar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião