Editorial

#eleganhou. O populista com uma agenda económica liberal

Qual é o futuro do Brasil? Autoritária e militar, ou liberal na economia. Isto é o princípio de uma nova vida para o país ou é o último episódio, o fim de um ciclo, a degeneração final?

Jair Bolsonaro é o novo presidente eleito do Brasil, Lula da Silva perdeu, desta vez nas urnas, por interposta pessoa (Fernando Haddad), e o país ganhou um líder de extrema-direita, populista, autoritário, ultraconservador nos costumes, que mistura a religião com a política e o Estado, e com uma agenda económica liberal. Um albergue ideológico – sem consistência – mas com um apoio popular que foi muito além dos brasileiros de ‘alta renda’. O militar que era pouco mais respeitado do que o famoso ‘Tiririca’ chegou ao Palácio da Alvorada. E agora?

A primeira conclusão destas eleições é mesmo a de que os brasileiros fartaram-se da corrupção, da utilização que o PT e Lula da Silva fizeram do Estado, da crise económica em que mergulharam o país. Da criminalidade que atingiu níveis insuportáveis. E a eleição de Jair Bolsonaro foi, em primeiro lugar, uma derrota do PT, de 13 anos de governação de Lula da Silva e de Dilma Roussef. “Foi a corrupção do PT que criou as condições para a candidatura de Bolsonaro”, afirmou André Jordan, um empresário brasileiro há muitos anos em Portugal, em entrevista ao ECO. A esquerda portuguesa ‘redescobriu’ o Brasil, os riscos de Bolsonaro, mas nunca foi capaz de criticar o PT de Lula e, pelo contrário. insistiu nas razões políticas da detenção do anterior presidente. Mas os brasileiros, esses, quiseram a mudança. Também porque não se viu na campanha de Haddad nada mais do que o #elenão e o apoio a Lula, até a promessa de que poderiam tentar a sua libertação, e a continuidade das políticas que trouxeram o país até aqui.

Agora, o mais importante é o dia seguinte: Quem leu e ouviu Bolsonaro só pode ficar preocupado com os tiques autoritários, com as mensagens racistas e xenófobas, com a perspetiva de um Presidente que, se levar à prática algumas das coisas que disse nos últimos anos, só pode resultar na transformação do país numa democracia musculada ou, se calhar, numa ditadura ‘soft’. Uma versão do Chile de Pinochet do século XXI? Uma Venezuela com sotaque português? Queremos, claro, acreditar que as instituições vão funcionar – é o que sugere o The Economist – para evitar tentações. Mas o Brasil, é preciso acrescentar, não é os EUA. Saiu da ditadura militar – elogiada por Bolsonaro – em 1985, portanto, não foi assim há tantos anos.

A agenda política de Jair Bolsonaro tem de ser negociada, muito negociada, por causa da dispersão de partidos no congresso e no senado. Bolsonaro não é um outsider da política, como Trump, foi congressista durante anos e está habituado aos corredores do poder. Está habituado à negociação no congresso, e essa experiência será crítica para concretizar o seu programa. Não deixa de ser contraditório, e por isso difícil de tipificar, a agenda autoritária e militarizada com os princípios da liberdade económica. O fascismo – palavra normalizada para a esquerda classificar os oponentes de direita – é outra coisa, como bem refere Madeleine Albright no livro “Fascismo. Um alerta”. Bolsonaro pode vir a tornar-se uma versão renovada de Pinochet do tempo das redes sociais ou o espelho de Maduro, mas a verdade é que “Liberdade” é uma das palavras mais usadas pelo presidente eleito no seu programa eleitoral. E também o foi no discurso de vitória, como o respeito pela Democracia e pela Constituição. A liberdade de iniciativa privada, e de propriedade, a diminuição do peso e da intervenção do Estado na economia, as privatizações, o reequilíbrio das contas públicas, a abertura da economia brasileira (que é protecionista) ao mundo.

Jair Bolsonaro escolheu para o super-ministério da Fazenda um nome reconhecido junto dos investidores. Paulo Gudes é um economista liberal, que vem dos mercados financeiros. Fundou o Banco Pactual e, agora, trabalha na Bozano Investimentos. Tem a escola de Chicago e uma intervenção pública regular, isto é, conhece-se a sua agenda e orientação. Não será uma surpresa para os brasileiros. É ele que tem de convencer os investidores da bondade das reformas económicas e sociais que estão no Programa de Bolsonaro. As contas certas, a reforma do mercado de trabalho prometida – com mais flexibilização – e mais exigência na educação, entre outras.

O presidente eleito tomará posse apenas a 1 de janeiro. Os próximos dois meses serão particularmente relevantes, mais do que o normal, para avaliar qual será o Brasil dos próximos anos, e qual é a agenda que vai ser a marca de Bolsonaro. A autoritária, e militar, ou a liberal na economia. Isto é o princípio de uma nova vida para o Brasil ou é o último episódio, o fim de um ciclo, a degeneração final?

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

#eleganhou. O populista com uma agenda económica liberal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião