Eutanásia: doença ou suicídio?

  • Ana Rita Campos
  • 15 Março 2020

Ana Rita Campos, advogada especializada da SPS Advogados, recomenda modificação na estrutura das apólices de seguros para contemplar especificamente a eutanásia e assim evitar dúvidas.

A eutanásia continua no centro de um intenso debate público com diversas considerações de ordem religiosa, ética e prática.

Um dos grandes impactos, desta alteração legislativa, acontece ao nível dos contratos de seguro de vida celebrados por eventuais doentes sujeitos ao processo de eutanásia.

Verificou-se que os projetos – lei, relativamente à eutanásia, não acautelaram as situações em que o doente que recorra à eutanásia tenha celebrado um, ou mais, seguros de vida. Cumpre tentar enquadrar, para já, tal situação à luz das normas existentes.

É inultrapassável partir-se para o enquadramento deste tema com o que vem atualmente previsto na Lei do Contrato de Seguro: “está excluída a cobertura por morte em caso de suicídio ocorrido até um ano após a celebração do contrato, salvo convenção em contrário.”

Na verdade, a previsão da exclusão da situação de morte por suicídio decorre de um imperativo de ordem pública que justifica a exclusão de atos dolosos, com o principal objetivo de prevenção de potenciais situações de fraude. Com efeito, a morte por eutanásia só poderá, em princípio, ser pedida, após demonstrada a vontade atual, séria, livre e esclarecida, a médico, por maior de 18 anos, sem problemas ou doenças mentais, em situação de sofrimento duradouro ou insuportável e com doença incurável, o que parece, à partida, acautelar, desde logo, estas eventuais situações de fraude. Aqui, a principal tónica, passará por assegurar particular rigor na definição das condições em que tal decisão possa ser tomada.

Ficando assim, parece-nos, totalmente posta em crise a aplicabilidade de tal exclusão, por suicídio, no caso de eutanásia, porquanto se tratará, unicamente, da decisão de abreviar uma morte que já é considerada certa, por condições médicas alheias ao próprio.

Igualmente devido à condição de inaplicabilidade do regime do agravamento do risco aos seguros de vida (e de saúde), que decorre em grande parte de considerações de natureza semelhante às constantes no Exposé des motifs da lei do contrato de seguro belga de 1992, a alegada circunstância de possível modificação do risco não poderá servir de fundamento para uma eventual exclusão do pagamento, pela seguradora, da morte por eutanásia.

De facto, falando de direito comparado, em países em que a eutanásia é já uma realidade legalizada, a questão do enquadramento desta nos seguros de vida segue já orientações diversas. Desde considerar-se que a pessoa que morreu, em resultado de eutanásia, morreu de causa natural, como na lei belga e luxemburguesa, até situações em que se considera a doença terminal de que padecia o doente como a causa da morte… as soluções têm sido variadas.

Contudo, com vista ao concreto enquadramento da situação de eutanásia às normas aplicáveis aos contratos de seguro de vida, em Portugal, será, com toda a certeza, necessário reinterpretar ou alterar as normas existentes à luz daquela que venha a ser a alteração legislativa a produzir, seja por via de regulamentação na própria lei de despenalização da eutanásia, seja por alteração dos clausulados das apólices em causa ou ainda seja por via da criação de uma exclusão própria, no regime jurídico do contrato de seguro, à semelhança da já citada norma referente à exclusão da morte por suicídio.

Face àquelas que são as normas hodiernamente existentes, a solução sempre teria de passar pelo pagamento das indemnizações decorrentes dos seguros celebrados por aqueles que se sujeitam ao processo de eutanásia, na medida em que não se trata da afirmação de uma liberdade geral de qualquer pessoa cometer o suicídio, mas sim da possibilidade de disposição da própria morte, de forma não punível, e em circunstâncias pessoais e médicas especiais e devidamente atestadas, afastando-se, assim, desde logo, qualquer tentativa fraudulenta ou qualquer ato inconsciente, instintivo ou irrefletido.

Excecionam-se, claro, em nosso entendimento, as situações em que a eutanásia possa decorrer de situação clínica pré-existente, não declarada à Seguradora, à data da celebração do contrato de seguro, à semelhança daquela que já é, atualmente, a previsão normativa em vigor.

A morte medicamente assistida, fará seguramente, correr muita tinta, no que diz respeito à cobertura das apólices de seguro, sendo certo que uma consulta prévia às mesmas, algo que não aconteceu, poderia evitar o surgimento de dúvidas e incertezas nesta matéria.

  • Ana Rita Campos
  • Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Advogada associada coordenadora da SPS Advogados. Áreas de tuação: Direito dos Seguros, Direito Civil, Contencioso declarativo e executivo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Eutanásia: doença ou suicídio?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião