Falta de meios do Ministério Público – Facto ou falácia?

"No entanto, no Ministério Público não escasseiam meios e, muito menos, falta poder"

Decorreu mais uma cerimónia solene de abertura do ano judicial. Como sempre, a Procuradora-Geral da República em funções queixou-se da falta de meios para justificar a suposta menor eficiência do Ministério Público, especialmente no combate à mais sofisticada criminalidade económico-financeira.

É louvável o estilo moderado e discreto da atual PGR e penso que o seu discurso abordou temas importantes. No entanto, mudam-se os tempos, mudam-se os representantes do Ministério Público, mudam-se as leis, mas num ponto o discurso desta magistratura não muda: faltam sempre meios.

Mas será assim?

Sou mais dado a letras do que a números. Só que os números e a estatística são úteis para analisarmos a realidade. E os números dizem-nos que a falta de meios do Ministério Público parece ser mais falácia do que facto.

Vejamos alguns exemplos.

Meios humanos: segundo dados de 2016 da European Commission for the Efficiency of Justice (CEPEJ), Portugal tem 14,5 procuradores por 100.000 habitantes. A Alemanha tem 6,7, Espanha 5,3, Itália 3,5 e França 2,92. Com exceção de Espanha, Portugal tem também mais funcionários judiciais por 100.000 habitantes do que os países mencionados.

Meios financeiros: segundo a CEPEJ, em 2016, a despesa do sistema de justiça em % do PIB foi em Portugal de 0,32%. Em França foi de 0,20%, na Grécia 0,26% e em Itália 0,27%. Deste núcleo, só Espanha nos superou um pouco com 0,33%.

Meios tecnológicos: se analisarmos o estudo temático respeitante ao uso de tecnologias de informação nos tribunais europeus da mesma CEPEJ, verificamos que Portugal tem realizado relevantes progressos e não envergonha em termos comparados.

Mas será Portugal um país com tanta criminalidade que faça com que os meios sejam sempre insuficientes? Segundo o Índice Global da Paz (IEP), podemos orgulhar-nos de ser o 3.º país mais pacífico do mundo. Portanto, ao contrário do que alguns tentam fazer crer, não somos o “paraíso do crime”.

Obviamente que, em teoria, faltam sempre meios e podemos sempre exigir mais. No entanto, num país já esmagado por impostos ( e custas judiciais elevadas, diga-se), os meios são finitos e devem ser geridos de forma criteriosa (bem sabemos a falta que fazem também na Educação e Saúde). Portanto, na melhor das hipóteses, o Ministério Público terá razões para pedir melhor organização e gestão dos meios disponíveis para o Sistema de Justiça.

Se os “números” indicam que o Ministério Público (e o Sistema de Justiça, em geral) não tem muitas razões para se queixar de falta de meios humanos, financeiros e tecnológicos, a verdade é que ao longo dos anos o legislador tem vindo também a proporcionar uma série de outros meios com vista a facilitar o trabalho desta magistratura.

Desde logo, o Ministério Público tem um sistema assente na autogestão e autonomia quase total. Criaram-se estruturas especializadas como, por exemplo, o DCIAP. Criou-se um Tribunal de instrução “especial” para servir este DCIAP que, durante muitos anos, foi constituído apenas por um Juiz que, como é público e notório, esteve sempre ao dispor do investigador/acusador.

Alargaram-se as escutas telefónicas, facilitou-se o confisco, eliminaram-se recursos para os arguidos, aumentaram-se prazos de prescrição, aprofundaram-se os mecanismos de cooperação judiciária internacional, fizeram-se leis que tornaram instituições financeiras e outras entidades colaboradores efetivos das autoridades no combate ao branqueamento de capitais.

A própria “digitalização” do mundo tem vindo a facilitar a obtenção de prova. Desenvolveu-se também uma máquina oficial de comunicação da PGR com vista a apresentar resultados e valorizar os seus méritos perante a opinião pública, contribuindo, em simultâneo com a banalizada violação do segredo de justiça, para a permanente e útil pré-condenação sumária de arguidos fora dos Tribunais. De facto, já só falta a tão ambicionada delação premiada “à brasileira” para que o pacote de meios fique completo.

Mas será que haverá alguma coisa que faça com que o Ministério Público deixe de reclamar mais meios? Duvido. Na verdade, com este discurso, repetido vezes sem conta, o Ministério Público arranja uma forma (fácil) de desresponsabilização, transferindo a culpa para os políticos que não têm interesse em conceder mais meios.

No entanto, no Ministério Público não escasseiam meios e, muito menos, falta poder.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falta de meios do Ministério Público – Facto ou falácia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião