Insurtech: uma nova era no negócio dos seguros

Manuel Leiria, consultor de inovação em seguros, salienta que as soluções desenvolvidas pelas insurtech estão a provar melhor que as desenvolvidas pelos "innovation labs" internos das seguradoras.

Estima-se que, em 2020, 80% dos clientes de seguros estabeleçam algum contacto com a sua companhia através dos meios digitais. A indústria seguradora, ainda muito ancorada nos modelos de negócio tradicionais, iniciou uma profunda transformação, à escala global, convertendo-se num serviço próximo, disponível e dialogante.

O motor impulsionador deste movimento são as insurtech. Estas novas empresas têm vindo a reinventar o negócio dos seguros, apostando em tecnologias emergentes para criarem propostas de valor inovadoras. Cada vez mais, os padrões de serviço e conveniência exigidos pelos clientes são estabelecidos a partir das suas experiências com as FAANG (Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google). Sendo que o gap entre o que as seguradoras têm para oferecer e o que os clientes exigem tem vindo a ser encurtado por soluções desenvolvidas pelas insurtech.

Paradoxalmente, são as seguradoras tradicionais quem mais investe nas insurtech. Para os incumbentes, esta é uma forma vantajosa de acompanharem as inovações que surgem no mercado. O modelo alternativo, de inovação interna através de innovation labs tem-se revelado menos eficaz pela dificuldade das seguradoras em se libertarem dos grilhões culturais que lhes limitam a capacidade de inovação e disrupção.

Ainda que o impacto das insurtech não seja claramente identificável pela generalidade dos clientes, o volume de investimentos já aplicados nestas start-up são a garantia da profunda transformação que induzem em toda a cadeia de valor dos seguros, nomeadamente nos seguintes domínios:

  • Na pré-venda as propostas são cada vez mais customizadas ao perfil e ao contexto de cada cliente;
  • Na subscrição, os processos são mais simples, rápidos e fiáveis, aumentando significativamente o rigor da caracterização, avaliação e monetização dos riscos;
  • Na regularização dos sinistros como uma atividade quase totalmente automatizada, restringindo-se a necessidade de intervenção humana a situações excecionais;
  • Na deteção de fraudes é muito mais eficaz, baseada em modelos proativos centrados nos clientes, em vez dos modelos tradicionais de “averiguação” concentrada nos processos.

Estes exemplos, e muitos outros, em toda a cadeia de valor dos seguros, constituem oportunidades para as seguradoras ganharem vantagens competitivas sobre os seus concorrentes e a lealdade dos seus clientes. Mas são também sérias ameaças às suas posições confortáveis se não forem devidamente consideradas e enquadradas nas suas estratégias de desenvolvimento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurtech: uma nova era no negócio dos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião