Mercados em máximos com economia em mínimos

Os principais índices acionistas giram em torno dos máximos históricos, não obstante o forte abrandamento dos lucros, a explosão da dívida empresarial e os avisos do FMI.

No passado dia 8, Kristalina Georgieva afirmou que o crescimento do PIB mundial este ano será o mais baixo desde a Grande Crise Financeira. Ainda de acordo com a nova diretora-geral do Fundo Monetário internacional (FMI), a tibieza do crescimento é generalizada no espaço e deverá estender-se, pelo menos, até ao próximo ano.

Os economistas do FMI não estão sozinhos nesta visão mais nublada do horizonte económico. Nos mercados financeiros, por exemplo, são vários os sinais de alerta. A forte depreciação das matérias-primas (gráfico 1), que é a classe de ativos porventura mais reativa à evolução da situação económica mundial, sugere um grau de vulnerabilidade não observado desde a crise. Mensagem semelhante emana da apreciação significativa do ouro, o qual tem, recentemente, vindo a atingir novos máximos na maioria das moedas europeias (gráfico 2).

Por outro lado, a vulnerabilidade dos bancos europeus, plasmada no desempenho negativo dos preços das respetivas ações (gráfico 3), indicia que os efeitos da crise financeira ainda não estão sanados, circunstância que condiciona o normal financiamento da atividade e que, além do mais, encerra um potencial de instabilidade financeira na área do euro.

Outro foco de preocupação advém do aumento dos riscos deflacionistas, como a queda para o valor mais baixo de sempre das expectativas para a inflação implícitas no mercado das taxas de juro bem ilustra (gráfico 4). As dificuldades dos bancos europeus e a possibilidade de retorno a uma conjuntura deflacionista constituem óbvias fontes de fragilidade, dados os elevados níveis de endividamento que ainda se verificam.

À perda de vigor da economia mundial soma-se um enorme grau de incerteza na esfera geopolítica, que vai desde as guerras comerciais com epicentro na Casa Branca até aos – infelizmente costumeiros – conflitos no Médio Oriente. A este respeito, as depreciações sustentadas do renminbi e do euro podem vir a revelar-se explosivas, ao adicionar o espetro das guerras cambiais à já altamente inflamável retórica das guerras comerciais.

Este contexto de quebra do dinamismo da atividade e de maior incerteza global deveria elevar o grau de prudência dos investidores e proporcionar uma reavaliação dos pressupostos muito generosos que subjazem à excessiva valorização dos ativos financeiros de maior risco, como as ações e as obrigações emitidas pelas empresas de maior risco.

Mas o que se passa é o contrário, nomeadamente nos EUA, onde os principais índices acionistas giram em torno dos máximos históricos, não obstante o forte abrandamento dos lucros, a explosão da dívida empresarial e os avisos do FMI quanto à degradação das perspetivas económicas futuras.

As causas que explicam a dessincronização entre os mercados financeiros e a economia são diversas, mas tipicamente resumem-se à ideia de que perante taxas de juro muito baixas e liquidez abundante não existe alternativa ao investimento em ações, o qual, ainda assim, confere uma remuneração distintamente positiva.

Acontece que este argumento só deveria ser tragável para quem ignora a existência de ciclos económicos e desconhece os números negativos. Com efeito, uma parte substancial dos dividendos que as empresas distribuem atualmente desaparecerá se o ciclo virar a sul, como parece estar a ocorrer. Do mesmo modo, a alternativa, aparentemente desastrosa, do investimento em ativos seguros a taxas de juro baixas ou mesmo negativas rapidamente se poderá tornar interessante em caso de uma correção nos mercados que produza retornos acionistas muito negativos.

Na verdade, o que tem permitido uma valorização incessante dos índices acionistas (sobretudo os americanos) é a promessa implícita de que, ao mínimo solavanco nos mercados, a Reserva Federal (Fed) e/ou o BCE intervirão com injeções massivas de liquidez. É perante esta dinâmica, que dura desde o primeiro ano de Alan Greenspan à frente da Fed (1987), que se afigura como provável que a Fed esteja à espera da próxima correção nos mercados acionistas para lançar o quarto programa de compra de dívida e, até quem sabe, o corte das taxas de juro para níveis negativos. Já vimos coisas mais estranhas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Mercados em máximos com economia em mínimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião