Meteorologia económicapremium

O Governo tenta fazer da bondade e das boas intenções a base da sua política social e económica. Mas a bondade não é uma política. A bondade é um substituto para a política.

Em tempos de Orçamento sou quase sempre invadido por um sentimento de desconfiança. É como se o País estivesse sob a mira de um Leilão em que as ofertas chovem em cifras astronómicas e absurdas. Vendidas as pratas já muitas vezes vendidas, o País fica mais pobre, o Governo ergue o estandarte da vitória e o futuro tem a duração exacta de seis meses. O Orçamento é um meteoro que se desfaz na atmosfera da realidade. O Orçamento tem em Portugal o exorbitante condão de se confundir com a “interpretação do maravilhoso inundando a vida quotidiana”. A complexidade do Quadro Macroeconómico define a realidade com base na derivação racional de que não existe qualquer contradição entre a realidade e a previsão orçamental. Aliás, a previsão é sempre superior e prevalece face à realidade. Neste

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos