Missão: quintuplicar o ritmo de crescimentopremium

Como é que passamos de uma taxa de crescimento inferior a 1% ao ano para mais de 5% ao ano até 2030? Não será fácil atingir as metas que a AEP propõe.

Foi apresentado o estudo “ Do pré ao pós-pandemia” da autoria da Associação Empresarial de Portugal (AEP). O documento faz um apanhado bastante completo da situação económica do país, incluindo uma análise aos últimos vinte anos, bem como uma antevisão da evolução esperada até 2023. De seguida, apresenta um conjunto de propostas de política pública, em prol da competitividade das empresas e da produtividade nacional, a fim de um objectivo maior de médio prazo: colocar Portugal no top-15 dos mais ricos da União Europeia (UE) em 2030. As metas que a AEP propõe até ao final da década são (no mínimo) ambiciosas, mas o que salta mais à vista no imediato é o declínio persistente da economia portuguesa nas últimas duas décadas. Lido o relatório, é como se tivéssemos levado um murro no estômago.

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos