Editorial

Nem mais um cêntimo para os pilotos da TAPpremium

O sindicato dos pilotos da TAP é liderado por um comandante eleito, nas autárquicas, na lista do Chega. Isso explica a chantagem que está a fazer e que põe em causa 3,2 mil milhões de euros.

O ministro Pedro Nuno Santos vai receber esta quinta-feira o sindicato dos pilotos depois das ameaças de greve que estão em cima da mesa e que podem pôr em causa 3,2 mil milhões de euros de fundos públicos e, assim, o próprio plano de reestruturação da TAP. E só pode dizer uma coisa: Não podem receber nem mais um cêntimo além do que é proposto pela administração da companhia aérea e qualquer outra decisão do ministro que representa o acionista Estado seria a capitulação perante uma classe profissional e, neste caso concreto, perante um sindicato liderado por presidente que entrou nas listas do Chega nas últimas autárquicas... A história é simples de explicar: No âmbito do processo de reestruturação da TAP, os pilotos foram obrigados a aceitar um corte salarial de 25% e negociaram, em cima

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos