Novas medidas para a sustentabilidade e valorização dos territórios do interior

  • Céu Carvalho
  • 8 Abril 2020

O Governo aprovou um conjunto de novas medidas que visam a promoção da coesão territorial, o reforço da competitividade e o desenvolvimento económico e social das regiões do interior.

O Programa do Governo estabeleceu prioridade a valorização do papel das regiões do interior de Portugal caracterizadas pela baixa densidade populacional e por um reduzido desenvolvimento económico. Para o efeito, assumiu o compromisso de criar novas políticas para o combate activo à perda da coesão económica e social que se verifica nestas regiões e para o fomento do respectivo desenvolvimento sustentável.

Neste contexto, foram publicadas no passado dia 27 de Março as Resoluções do Conselho de Ministros que aprovam as seguintes medidas:

  • Programa Conhecer Portugal, o qual pretende estimular a presença de estudantes de ensino superior e de investigadores académicos em regiões de menor densidade populacional, por períodos de três a 12 meses, sobretudo para a realização de trabalhos científicos e teses académicas que promovam o conhecimento dessas regiões. Este Programa traduz-se na atribuição de apoios directos e compensações de deslocações e instalação, tendo disponível uma dotação de 7 milhões de Euros para apoiar 2.100 alunos/investigadores até 2024.
  • Programa Internacional de Investigação sobre Montesinho, que visa apoiar actividades de investigação e desenvolvimento de equipas portuguesas em cooperação internacional, nas áreas de observação e conhecimento da Terra, clima e alterações climáticas, diversidades socioculturais e biodiversidade e recursos biológicos. Prevê-se, ainda, a criação do “Observatório de Montesinho — Dionísio Gonçalves”, dedicado a promover (i) a monitorização e o estudo dos ecossistemas de Montesinho face às alterações climáticas e (ii) o turismo científico e de natureza na região. No total, esta iniciativa representa um investimento de 2,4 milhões de Euros até 2022.
  • Programa Trabalhar no Interior, com o objectivo de incentivar a mobilidade geográfica e a fixação de trabalhadores (e seus agregados familiares) nos territórios do interior, destacando-se: (i) a atribuição de apoios financeiros e de benefícios fiscais – quer para os trabalhadores, quer para as empresas –, (ii) o apoio ao regresso de emigrantes que aí se instalem, e (iii) o desenvolvimento de redes de apoio com vista à melhoria do acesso à habitação e das condições de vida.
  • Revisão e reavaliação do “Programa de Valorização do Interior”, tendo sido incorporadas novas iniciativas direccionadas aos desafios e contextos socioeconómicos destas regiões, das quais se destaca o Programa +CO3SO (Constituir, Concretizar e Consolidar Sinergias e Oportunidades). Este Programa divide-se em 14 subprogramas organizados em quatro eixos de intervenção: 1. Valorizar os recursos endógenos e a capacidade empresarial do interior, 2. Promover a cooperação transfronteiriça para internacionalização de bens e serviços, 3. Captar investimento e fixar pessoas no interior e 4. Tornar os territórios do interior mais competitivos.

A este respeito, importa destacar a aprovação dos Programas +CO3SO Conhecimento e +CO3SO Digital (integrados no eixo 1. Valorizar os recursos endógenos e a capacidade empresarial do interior) que, através de instrumentos financeiros dos Programas Operacionais Regionais do Portugal 2020, visam a criação de condições para o desenvolvimento social e económico dos territórios através da promoção de políticas de incentivo à criação de emprego altamente qualificado, à inovação e transferência de conhecimento tecnológico e à promoção da modernização das actividades empresariais, através da digitalização.

Estas medidas reflectem o compromisso de garantir um processo efectivo de convergência europeia e nacional até 2030, sendo expectável que se repercutam numa maior valorização dos territórios do interior e, ao mesmo tempo, numa crescente transição sustentável para um país mais coeso, inclusivo e competitivo a nível económico e social.

Nota: A autora, por opção, escreve ao abrigo do anterior acordo ortográfico.

  • Céu Carvalho
  • Partner da KPMG

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas medidas para a sustentabilidade e valorização dos territórios do interior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião