Editorial

O industrial independente que não deixava prisioneiros

Pedro Queiroz Pereira (1949-2018) era um verdadeiro industrial. Direto, frontal, independente, PêQêPê deixa um dos maiores grupos empresariais, mas deixa sobretudo uma forma de estar.

Pedro Queiroz Pereira desapareceu este sábado, 18 de agosto de 2018, com 69 anos. É o desaparecimento de um verdadeiro industrial, porque foi sempre aqui, na indústria, que PêQêPê, como é reconhecido por todos desde os tempos dos rallies, quis estar. E esteve, sempre nas suas condições, que garantia com maior ou menor celeridade, sempre sem deixar prisioneiros (já lá vamos). Ganhou muitos negócios, perdeu alguns, mas só ficava naqueles em que acreditava, à sua maneira. A alternativa era sair.

O empresário – sempre se intitulou assim, empresário, e não gestor – marcou uma época da vida do país. Na linha de Belmiro de Azevedo e Américo Amorim, nunca foi um personagem fácil, nem sequer consensual. Também nunca procurou esse consenso, antes os resultados, suportados numa estratégia que definiu lá atrás, quando, regressado do Brasil, olhou para os cimentos e para a floresta. Construiu um dos maiores grupos industriais do país, o grupo Semapa, com as posições de controlo da Secil e da Navigator (antiga Portucel), sem procurar confrontos, mas também sem fugir a eles. E quando os teve, e foram alguns, dentro e fora da família, levou-os até ao fim. Coragem, é o substantivo. Foi o que aconteceu, por exemplo, com Ricardo Salgado. Depois de anos de guerras surdas, porque desconfiava das verdadeiras intenções do antigo presidente do BES, que de resto o tempo lhe viria a dar razão, PêQêPê fechou, com um comunicado de 17 linhas, uma relação das duas famílias que vinha de 1937. Assim. Sem apelo nem agravo. Clarificou-se o poder, e quem mandava no grupo era PêQêPê. E, resultado de um dos maiores conflitos empresariais e familiares do pós-25 de abril, pode dizer-se, com a informação que existe hoje, que foi um dos principais contribuintes para a queda do banqueiro. Também para a higienização do país.

Pedro Queiroz Pereira sempre acreditou em Portugal, medido no investimento, não por caridade, por convição no sucesso dos negócios, em fazer. Mas as relações com os sucessivos governos nunca foram fáceis. E viu-se nos últimos anos um certo desencanto do empresário. Já fora da gestão executiva – tratou cedo de profissionalizar a gestão do grupo -, mantinha uma presença ativa, e exigente, nas empresas. E não havia gestor que fizesse alguma coisa sem o consultar previamente. Em 2016, com a geringonça no poder, concedeu uma entrevista em que admitia deixar de investir em Portugal por causa das anunciadas medidas restritivas à florestação de eucalipto, a matéria-prima para a pasta de papel das celuloses. Nunca terá verdadeiramente considerado tal hipótese, mas na sua última comunicação aos acionistas, alertava para o que estava (e está) a ser feito do ponto de vista económico: “Em vez de se melhorar os nossos fatores endógenos de competitividade, se torna cada vez mais difícil a vida das empresas produtivas e mais arriscados os investimentos. Quando, um pouco por todo o lado, renascem, sob formas mais ou menos encapotadas, barreiras protecionistas, bem se dispensava este levantar artificial de obstáculos internos. Decididamente, não parece ser este o caminho para evitar a desindustrialização”.

O país perdeu um dos seus maiores industriais. O grupo fica, a sucessão foi preparada, há um ‘family office’ para gerir o património empresarial, avaliado pela revista Exame em mais de 790 milhões de euros, nas mãos das suas três filhas, Filipa, Mafalda e Lua. Outra coincidência, três mulheres na linha de sucessão, como acontece com Américo Amorim e, dentro em breve, com Belmiro de Azevedo. Mas ficam sobretudo os valores que fizeram a construção deste grupo industrial. A independência, a permanente disponibilidade para arriscar, para investir, para negociar, a total indisponibilidade para fazer concessões.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O industrial independente que não deixava prisioneiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião