O problema não és tu, é a inflaçãopremium

A inflação está a adiar o amor. A conclusão é de um artigo publicado esta semana pela Bloomberg, que analisa a subida das taxas de inflação em todo o mundo. E os seus efeitos na vida da gente.

Encontrar o amor está cada mais difícil, e desta vez a culpa não é das nossas vidas ocupadas, de diferenças inconciliáveis nem do excesso de trabalho. Escreve a Bloombergque a inflação é a grande culpada do aumento das dificuldades na hora de procurar e encontrar o amor no pós-pandemia. Regar relações com um bom vinho, um jantar romântico ou uma estadia num lugar especial são experiências cada vez mais dispendiosas... e os preços ascendentes fazem os futuros enamorados ressignificar aquilo que implica investir, de facto, emocional e financeiramente para criar e fazer crescer relação. Encontrar o amor é, graças à inflação, uma tarefa cada vez mais cara. Façamos as contas: uma pessoa que viva a cerca de 20 minutos de carro do centro de Lisboa gastará, para ir no próprio automóvel a um

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos