O que é barato, sai caro

A política salarial na CGD está alinhada com a dos outros grandes bancos do sistema. Se cumprir aquilo para que foi contratado, António Domingues pode até sair barato aos contribuintes.

António Domingues vai ganhar 423 mil euros por ano na Caixa Geral de Depósitos, quase o dobro do seu antecessor, José de Matos. E se cumprir os objetivos que lhe forem propostas, poderá ganhar mais 210 ml euros/ano. É um salário injustificado face à situação que o país ainda vive? A resposta fácil, e populista, é alinhar na crítica simplista e ruidosa. Não é a resposta correta.

A política salarial da CGD decidida pelo anterior governo era esquizofrénica, tinha um teto, com o salário do primeiro-ministro, mas exceções que punham lado a lado administradores com as mesmas responsabilidades e salários (muito) diferentes. Agora, há um quadro geral conhecido.

Quais são as condições necessárias para tornar a política salarial da CGD, um banco público, aceitável do ponto de vista económico e social?

  1. Uma empresa em concorrência no mercado
  2. Um plano conhecido e metas definidas no início de cada mandato
  3. Uma política salarial alinhada com a média dos outros bancos do sistema
  4. A existência de um mercado de ‘banqueiros’.

António Domingues cumpre as quatro condições: A CGD tem de concorrer no mercado com todos os outros bancos privados, tem um plano definido pelo acionista, que, já agora, deve ser apresentado ao mercado como qualquer empresa, o salário de 423 mil euros está a meio na tabela salarial dos principais bancos e António Domingues foi contratado a um concorrente, o BPI.

É claro que se a administração deve ser remunerada de acordo com os objetivos e com regras de mercado, é obrigatório que todos os trabalhadores estejam, também, debaixo desse regime.

O Governo vai pôr nas mãos de António Domingues cerca de cinco mil milhões de euros em capital, dos quais até 2,7 mil milhões saem diretamente dos contribuintes. Se cumprir aquilo para que foi contratado, o salário de António Domingues até sairá barato.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que é barato, sai caro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião