Editorial

O que é que nos estão a esconder?

O PS e o PSD chumbaram uma proposta da Iniciativa Liberal para permitir que a comunidade científica portuguesa possa aceder aos dados da Covid-19. Se não há mentiras, há pelo menos segredos. Porquê?

O Presidente da República disse aos portugueses, no momento em que foi decretado o estado de emergência, que desta vez nos diriam a verdade, que não haveria mentiras (numa referência implícita, mas óbvia, ao que sucedeu nos incêndios de Pedrógão). Mas se não há mentiras — vamos ver… — há no mínimo segredos e omissões igualmente graves. Desta vez, o bloco central chumbou a proposta de resolução da Iniciativa Liberal relativa à divulgação de dados da Covid-19 para estudo da comunidade científica. Os portugueses, portanto, só vão ter direito à verdade do Estado e do Governo.

O que propôs o deputado João Cotrim Figueiredo? O Governo deveria disponibilizar os microdados pseudo-anonimizados existentes sobre os casos suspeitos, confirmados ou não, de Covid-19 em Portugal, obviamente dentro do âmbito e dos procedimentos revistos no Regulamento Geral de Proteção de Dados.

Segundo esta proposta, a manutenção destes dados na gaveta do Estado “impede estudos urgentes que muito poderão auxiliar as autoridades de saúde pública e o Governo a adotar as melhores medidas para prevenir e mitigar a propagação do SARS-CoV-2, fazendo diminuir a incidência da Covid-19 na população portuguesa”. E não só, a divulgação deste dados seria útil para que os investigadores portugueses pudessem colaborar com a comunidade internacional. Pelos vistos, o PS e o PSD entendem que a comunidade científica não deve ter acesso àqueles dados, apesar das promessas do próprio primeiro-ministro, em declarações públicas.

A confiança nas instituições é um dos pontos críticos para que o país ultrapasse esta crise, mas as instituições, leia-se o poder político, tem de fazer por merecer essa confiança. Tendo em conta o que se vê nas sucessivas conferências diárias da ministra da Saúde e da diretora-geral de Saúde, as contradições nos números, os erros, esta decisão parlamentar do PS e do PSD de manter os dados epidemiológicos em segredo não pode passar… em segredo, tem de ser denunciada. Porque só nos faz admitir que o Estado tem alguma coisa a esconder da comunidade científica, ou seja, dos portugueses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que é que nos estão a esconder?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião