Editorial

Onde estão os limites de um partido?

Centeno no Banco de Portugal. Vitalino Canas no Constitucional, empresa de sobrinho de Nuno Artur Silva faz negócios com a RTP. Um 'friend gate' ou onde estão os limites de um partido.

Mário Centeno está à beira de ser governador do Banco de Portugal, Vitalino Canas foi indicado pelo PS para juiz do Tribunal Constitucional, um empresa que era do secretário de Estado da Comunicação Social, Nuno Artur Silva, e que é agora de um seu sobrinho, faz negócios com a RTP. Uffa… haveria mais exemplos, como a mudança da lei à medida no aeroporto do Montijo ou os ataques ao Tribunal de Contas, mas estes chegam para perceber a que ponto chegamos no controlo que o PS tem do Estado e de um sistema coletivo que, aparentemente, vive de forma confortável com esta promiscuidade.

Sim, bem sei que cada caso é um caso, mas analisados individualmente, não se tornam, cada um deles, mais adequados ou corretos. Pelo contrário. Nas nomeações, voltamos ao esquema das portas giratórias, seja de Centeno ou de Vitalino Canas. E se o conflito de interesses no caso do ministro das Finanças é evidente, tendo em conta as decisões do (ainda) ministro em matérias tão sensíveis como a recapitalização da CGD ou a venda do Novo Banco, para citar os casos mais óbvios, a indicação de Vitalino Canas é “apenas” ofensiva. O PS tem o desplante de propor para um tribunal superior não apenas um militante do PS, mas um porta-voz do PS, e é preciso acrescentar (porque, para o caso, não é indiferente) com um Governo (e quase um Estado) de José Sócrates.

Nem Mário Centeno, nem sequer Vitalino Canas estão impedidos de seguir as suas carreiras depois do exercício de cargos políticos. Mas só têm mesmo competência para seguirem esse trajeto profissional em cargos nomeados pelo Governo, pelo seu partido? Os próprios querem mesmo ter como imagem de marca a nomeação para uma função porque são do partido que está no Governo?

Se Mário Centeno tem competências que estão à vista (exige-se no mínimo um período de nojo), a declaração de Vitalino Canas de que anda há 40 anos a preparar-se para ser juiz do TC torna a sua indicação ainda mais caricata. O advogado achou mesmo que poderia ter uma atividade política intensa, partidária, e mesmo assim chegaria ao cargo de membro de um tribunal superior. A bem da independência do TC, e da sua credibilidade, esta afirmação talvez deva ser mesmo a definitiva para evitar a sua nomeação.

Os negócios de uma empresa que foi de Nuno Artur Silva com uma empresa por si tutelada, e que deixou de ser sua precisamente para que pudesse ser secretário de Estado da Comunicação Social não é só ofensivo, é mesmo uma provocação à inteligência mediana de um qualquer cidadão. A RTP não deveria pôr-se nessa posição, o secretário de Estado que tem a possibilidade contratual de voltar a recomprar a empresa ao sobrinho deveria ter sido o primeiro a garantir que todos os negócios seriam desejáveis… menos com a empresa pública de rádio e televisão.

Todos estes casos, diferentes, são iguais no essencial. Depois do ‘family gate’, temos agora um ‘friend gate’. Um exercício de poder de quem tem o Estado nas mãos, e está suficientemente à vontade para tomar estas decisões sem consequências.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Onde estão os limites de um partido?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião