Os 3 C’s para ser um comunicador com impacto

  • Anabela Chastre
  • 5 Agosto 2020

Grande parte da ansiedade é devido à falta de confiança. E acredite ou não, essa falta de confiança é muitas vezes, criada por nós próprios.

Muitos são os profissionais que me confessam a sua ansiedade em falar em reuniões de departamento ou noutras reuniões da empresa. Chegam mesmo a dizer que dormem mal antes das suas apresentações. E isso pode ser angustiante.

Grande parte da ansiedade é devido à falta de confiança. E acredite ou não, essa falta de confiança é muitas vezes, criada por nós próprios.

Muitas são as crenças limitadoras que, ao longo da vida, vamos dizendo em silêncio e sem nos apercebermos, tomamo-las como garantidas. “Eu não consigo falar em público” Ao dizermos isto vezes sem conta, estamos a assumir esse estado e a acreditar que é impossível mudar isso. Claro que é possível mudar! Primeiro comece por tomar essa consciência e depois trabalhe arduamente na técnica. Não há segredos!

Comunicar com uma pessoa, ou com várias, exige confiança e técnica. Quando falo em técnica, refiro-me a ter uma estrutura na comunicação que vá ao encontro do resultado que pretende. Comece por perguntar a si próprio “Qual é o objetivo que pretendo alcançar?”. Verá, que a partir dessa resposta, a construção da sua comunicação fica mais facilitada.

São várias as técnicas para melhorar a sua comunicação e aprender a ter prazer em falar em público, mas o primeiro passo, é predispor-se a fazê-lo.

No último programa de comunicação com impacto que fiz online, um dos participantes referiu entusiasmado que a método que eu ensino e que é baseado numa estrutura de 3 passos, tinha-lhe dado muito mais confiança.

Na realidade, se tivermos uma estrutura coerente na nossa comunicação, sentimo-nos mais confiantes e isso, claramente, é percecionado por quem nos está a ouvir.

O mercado de trabalho está cada vez mais exigente e os profissionais que ainda não conseguiram desenvolver essa habilidade e que ainda encontram muitas dificuldades em apresentar os seus projetos e as suas ideias perante um grupo, podem estar a limitar a sua progressão na carreira. A boa notícia, é que é possível desenvolver essa habilidade.

Os 3 C’s para ser comunicador com impacto

Por já ter vivido grandes momentos de ansiedade em comunicações que fiz no inicio da minha carreira, sei perfeitamente o que isso representa e nesse sentido, criei um método que ajuda as pessoas a dominarem os nervos e a fazerem apresentações com impacto. O Método dos 3C`s: Conhecer. Construir. Conquistar.

1.º C – Conhecer

A frase de Jim Collins “Primeiro quem, depois o quê” não poderia estar mais enquadrada. Quando começar a preparar a sua apresentação, comece por saber quem vai ser a sua audiência, o que sabem eles sobre o tema que vai desenvolver, o que esperam ouvir de si?

Depois de conhecer os outros, conheça-se também a si próprio. Como se manifesta a sua ansiedade, que estratégias pode utilizar para as reduzir? Estes são alguns pontos que o 1.º C aborda.

2.º C – Construir

Aqui vai começar por identificar o seu objetivo. O que pretendo alcançar com a minha exposição, qual a mensagem que quero deixar à audiência? Estas respostas ajudá-lo-ão a definir os dois ou três itens que a sua apresentação se vai focar.

3.º C – Conquistar

No último passo, falamos de entregar o conteúdo de forma impactante, desde a sua postura, à linguagem e claro, ao storytelling.

O storytelling, ou a arte de contar histórias, é uma das melhores maneiras de se falar bem em público, pois torna a apresentação muito mais envolvente. Quando relacionamos emoções às informações, ideias e factos que estão a ser transmitidos, a nossa capacidade de aprendizagem é ampliada.

Está pronto para impulsionar a sua carreira, sendo um bom comunicador? Espero que este artigo o ajude a ser o comunicador com que sempre sonhou!

*Anabela Chastre é coach.

  • Anabela Chastre

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os 3 C’s para ser um comunicador com impacto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião