Os comunistas imaginativos e os outros

  • Mónica Marques
  • 23 Maio 2020

Enquanto a Opera de Paris (místico q.b.) deverá permanecer fechada até 2021, ficamos a saber que o Governo arrisca uma outra divisão: os comunistas imaginativos e os outros.

Um beijinho para quem, como o primeiro-ministro, António Costa, acha que a Festa do Avante ainda é um ato político porque se formos ver com atenção, há anos que o PCP não se posiciona politicamente. Pelo menos nas questões ditas importantes da sociedade atual.

Qual a posição do partido em relação ao aborto, ao casamento homossexual, à igualdade de género, à camada do ozono, aos 17 ODS? Por mais politicamente incorreto que seja dizer, aquilo a que temos assistido ao Partido Comunista fazer nos últimos vinte anos não tem quase significado e pouca repercussão social.

O Partido Comunista está para o país hoje, como aquelas retrosarias de bairro, antigas, pelas quais gostamos de passar quando nos sentimos poéticos porque nos lembram outros tempos e fomos muito queridos pelos nossos avós, mas onde já não se encontra sequer um dedal.

Não quiseram ou souberam adaptar-se… Sim, isto não deixa de ser um pouco triste e bem podemos começar a pensar num plano de comunicação estratégico que permita aos comunistas ter tração no online, porem-se espertos para não terem de vender ainda o idílico Edifício Vitória, na Avenida da Liberdade, a uma qualquer imobiliária francesa, aquela do neto imaginário do Cohen Bendict.

Devíamos entusiasmá-los a pronunciar-se sobre o glúten free, era um pouco mais animador; ou sobre as condições dos empregados fabris da H&M, da GUESS e da Calvin Klein, na Etiópia: ficava-lhes bem e sempre falavam na roupa manchada de sangue que satisfaz a vaidade pindérica da classe média e os instintos neoliberais de todos os povos do mundo, uni-vos em hiper consumismo. Exceção ao povo da Coreia do Norte que, de facto, pelas imagens televisivas, precisa de roupa nova.

O misticismo associado ao Avante não se coadunará com os exemplos alemães de eventos musicais em drive-ins para cumprir o distanciamento social. Uma boa Festa requer algum suor, contacto físico e, definitivamente, não é nem tem de ser a experiência mais higiénica do mundo. A não ser que, em 2020, não vá haver abraços entre camaradas subitamente acometidos de pandemic shame, e se cante “A Internacional” sem sair dos 20 metros quadrados para a esquerda, ou para a direita aquela regra governamental para todos os outros eventos em recintos ao ar livre.

Enquanto a Opera de Paris (místico q.b.) deverá permanecer fechada até 2021, já que as regras de segurança recomendadas no protocolo cultural para o desconfinamento assim o exigem, no Brasil, Bolsonaro divide a humanidade em três: os filhos, os tolos e os comunistas. Nós, com a possibilidade absurda da realização da Festa do Avante, em 2020, ficamos a saber que o Governo arrisca uma outra divisão: os comunistas imaginativos — que, no meio de toda a discussão sobre as regras do desconfinamento, estão muito além e nós — e os outros, o inferninho sartreano que daqui a bocado vai buscar o take away com medo de ir ao restaurante. Vai ser: Lasagna de courgette, com puré de ervilhas e mozzarella, acompanhada de tomate cherry confitado. Já agora, glúten free.

  • Mónica Marques

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os comunistas imaginativos e os outros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião