Os velhos resultados do Novo Banco

  • António Manuel Cunha
  • 4 Março 2019

Novo Banco vai no bom caminho, mas esse caminho será longo e penoso. No final será menos penoso para os contribuintes do que foram outras situações similares onde a solução passou pela nacionalização.

Um pouco de história: depois da resolução do BES, em 2014, quando Pedro Passos Coelho teve a coragem de dizer “Não” a Ricardo Salgado, o Novo Banco foi criado para salvaguardar os depositantes e manter em operação as normais atividades de concessão de crédito, essenciais ao bom funcionamento da Economia Portuguesa.

Três anos depois, em 2017, o Novo Banco foi novamente (parcialmente) privatizado, mediante a compra de 75% do capital pelo fundo norte-americano Lone Star, e de 25% pelo Fundo de Resolução (pessoa coletiva de direito público), ao abrigo de um acordo que não é de simples entendimento, mas que admitimos que tenha sido o possível no contexto existente. A alternativa mais imediata (manutenção do Novo Banco nacionalizado) poderia ter sido desastrosa para nós, os contribuintes, pois as perdas passariam a não ter limites (como acontece na CGD).

O fundo norte-americano injetou mil milhões de euros, mas em contrapartida o Novo Banco pode receber por parte do Fundo de Resolução até 3,89 mil milhões de euros por perdas que surjam nos 8 anos seguintes com uma determinada carteira de créditos devidamente identificados como de alto risco, e também caso os rácios de capital desçam abaixo de determinados níveis. As injeções de capital pelo Fundo de Resolução terão de ser financiadas maioritariamente por nova dívida pública, e afetam o défice do Estado.

Ao apresentar estes resultados relativos ao exercício de 2018, manifesta-se o reconhecimento de mais perdas com a referida carteira de créditos, gerando o consequente pedido de reforço de capital por parte do Fundo de Resolução. Com este pedido de 1,149 mil milhões de euros, em dois anos o Novo Banco já pediu um total de 1,949 mil milhões de euros, ou seja, 50% do total. É normal que o montante de perdas reconhecidas seja mais elevado nos primeiros anos, mas mesmo assim, a este ritmo, dificilmente será possível evitar que seja usada a totalidade dos 3,89 mil milhões de euros previstos inicialmente.

Esses 3,89 mil milhões de euros deverão ser reembolsado ao Estado (ou seja, a nós, os contribuintes) num prazo máximo de 30 anos, mediante pagamentos que os bancos do sistema bancário português são obrigados a fazer. Por outro lado, no momento da venda do Novo Banco, o Fundo de Resolução terá direito a receber 25% do valor da venda, o que lhe poderá permitir recuperar todo o capital injetado no Novo Banco e pagar os empréstimos do Estado.

Cumpre então verificar a evolução da atividade recorrente do Novo Banco, excluindo o legado dos empréstimos ruinosos realizados pela anterior administração (vários deles aos mesmos devedores da CGD, mediante critérios de aprovação muito duvidosos), para verificar se a atual administração está a conseguir proceder à reestruturação necessária para viabilizar a venda da instituição.

Numa breve análise aos resultados apresentados, parece que a recuperação operacional do Novo Banco para níveis que permitam a venda por um preço aceitável ainda está longe. Não obstante a visível diminuição de prejuízos em termos globais, a atividade recorrente apresenta uns modestos 2,2 milhões de euros de lucros, o que em termos reais é praticamente zero.

Existem indicadores positivos, como a subida de 15,6% no Produto Bancário (as vendas dos bancos) e uma descida de 9,9% dos custos operacionais, o que permitiu uma subida de 166% do resultado operacional.

Podemos dizer que o Novo Banco vai no bom caminho, mas esse caminho será longo e penoso. Acreditamos que no final será menos penoso para os contribuintes do que foram outras situações similares onde a solução passou pela nacionalização da instituição. Que nos sirva de lição a todos.

  • António Manuel Cunha
  • Colunista convidado. Membro do Conselho Estratégico Nacional do PSD

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os velhos resultados do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião