Para que serve o escrutínio das finanças públicaspremium

  • Teodora Cardoso
  • 20 Junho 2022

Teodora Cardoso, ex-presidente do Conselho das Finanças Públicas, escreve um artigo de opinião a propósito dos 10 anos da entidade criada na sequência da crise das dívidas soberanas da Zona Euro.

O Conselho das Finanças Públicas completou em Fevereiro passado 10 anos de funcionamento no cumprimento da missão de pronunciar-se, com independência e fundamentação técnica, sobre a política orçamental do país. A sua criação em Portugal antecipou a entrada em vigor da legislação europeia sobre a matéria, embora tendo por base a mesma motivação: o impacto da crise financeira que, na Europa e em especial na área do euro, revelara a insuficiência das regras vigentes para assegurar a sustentabilidade da dívida pública dos Estados Membros. Esse não era, aliás, um problema exclusivo, nem desses Estados nem da crise de 2008, e tinha dado origem desde há muito a vasta literatura sobre o tema, assim como à criação em diversos países (entre eles os Estados Unidos, os Países Baixos e a Suécia) de

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos
  • Teodora Cardoso
  • Ex-presidente do Conselho das Finanças Públicas