Pode o coronavírus acelerar futuro da indústria seguradora?

  • Romana Ibrahim
  • 23 Março 2020

Romana Ibrahim, CEO da Keep Warranty, considera que a crise Covid-19 adiantou o futuro e marca a hora de colocar as mãos à obra e acelerar o que a tecnologia pode trazer para ajudar-nos a avançar.

Em apenas uma semana, tudo mudou no mundo: de repente, milhares de empresas cujas políticas de trabalho não permitiam o teletrabalho são agora forçadas a fazê-lo funcionar nos seus negócios. Eventos, muitos deles de grande alcance, como o Collision em Toronto, transformam-se em eventos digitais, reinventado as possibilidades do networking e da partilha de ideias.

Há decisões que têm de ser tomadas e que não o podem ser com os olhos postos numa folha de excel, embora esse seja o primeiro impulso: olhar para os números, perceber onde temos de cortar, como equilibrar a balança. Quando um dos pratos acabou de levar com uma pedra de um tamanho ainda incalculável, essas são medidas que poderão ser apenas um “penso-rápido”, uma quebra de compromisso, tomadas à pressão e de cabeça quente.

Tempos como os que vivemos hoje obrigam a uma reflexão sobre as mudanças que estavam engavetadas e que agora vêm ao de cima, por emergência. Todos nós estamos obrigados a medidas excecionais e a indústria seguradora não é uma exceção. Temos nas nossas mãos o poder de desenhar o futuro à luz de uma imprevisibilidade como a que vivemos agora.

Esta crise faz-me, acima de tudo, olhar para o futuro como se ele fosse inevitavelmente adiantado, e é inevitável uma reflexão sobre as tendências da indústria a que precisamos de adaptar-nos, de forma a estarmos cada vez mais preparados para acompanhar tempos inesperados.

A tecnologia precisa de entrar na indústria seguradora: Isso é um no-brainer

A inteligência artificial e a análise de dados preditiva são um investimento do presente, em grande parte das seguradoras do mundo. Porque, numa era globalizada como a que vivemos agora, é cada vez mais fundamental responder com celeridade aos acontecimentos, adaptando os produtos e as respostas aos consumidores. Se no início desta pandemia, uma previsão matemática nos tivesse permitido ver cenários de futuro e adaptar produtos, talvez o mercado se pudesse libertar dos constrangimentos que agora enfrenta. Em todo o mundo, várias seguradoras, entidades de regulamentação e advogados debatem-se sobre a cobertura das consequências do COVID19 pelas seguradoras.

Só uma adoção a fundo deste tipo de tecnologias vai permitir-nos chegar ao momento em que poderemos olhar para estes acontecimentos como oportunidades para nos reinventarmos e estarmos mais prontos para responder às necessidades, cada vez mais voláteis, dos mercados globais.

Entre as novas tendências estão, por exemplo, a criação de seguros on demand: são seguros que os consumidores têm a possibilidade de contratar online e cujas taxas estão em constante atualização de acordo com análises do mercado e com um elevado nível de personalização da apólice. Estamos a falar de contratações de seguros por períodos muito mais pequenos do que o habitual, por exemplo, ou de níveis variáveis com o tempo, altura do ano, pessoa ou objeto segurado.

Se à data de hoje, a indústria seguradora está debaixo de um alto escrutínio, então é hora de colocar as mãos à obra e acelerar o que a tecnologia pode trazer para ajudar-nos a avançar. Assim, o importante é continuar com os olhos postos no futuro para acelerar esse processo e dar às nossas seguradoras uma nova forma de chegar aos consumidores, de acordo com o que exige a nossa velocidade de mercado.

  • Romana Ibrahim
  • CEO da Keep Warranty, empresa que idealizou e criou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pode o coronavírus acelerar futuro da indústria seguradora?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião