Populismo Florestal ou a inquisição dos eucaliptos

O drama dos incêndios florestais há muito que merecia uma abordagem estrutural, olhando às verdadeiras causas e soluções em vez desta falaciosa inquisição aos eucaliptos.

Os argumentos técnicos desenvolvidos no Manifesto por uma Floresta não Discriminada são suficientemente claros e sustentados para ser desnecessário estar a bater na mesma tecla. Está subscrito por pessoas com conhecimento e responsabilidade, que o assinam e estão identificadas.

Dizer que, porque são interessados na matéria, não têm direito a expressar publicamente a sua opinião ou que essa opinião não é válida e genuína, é o mesmo que excluir todos os interessados da discussão das matérias que os afetam. Excluir os médicos, os doentes, os enfermeiros, as empresas e as associações do setor da saúde de discutir, a saúde. Excluir os juízes, os advogados, os cidadãos envolvidos e os organismos do setor da justiça de discutir, a justiça. Ou excluir os refugiados, as autoridades fronteiriças, as ONGs do setor, os sindicatos e as populações dos locais de destino dos refugiados, de discutir as questões dos refugiados. Ninguém de bom senso o faria e nenhum de nós o aceitaria. Uma democracia saudável depende da liberdade de expressão das diferentes opiniões e da licita oposição de diferentes argumentos. Na verdade, se não aceitarmos que os cidadãos, na sua pluralidade, são a primeira e a última defesa da democracia, devemos deixar toda a esperança para trás.

Mas curiosamente, da leitura das várias criticas a este manifesto, a critica comum é – o manifesto não é válido porque os seus signatários são parte interessada. É curiosa esta obsessão em atacar os signatários em vez da mensagem. Claro que uma leitura mais atenta torna clara a motivação para esta opção – estando a mensagem bem sustentada, é mais fácil atacar a fonte.

Infelizmente a atitude por detrás desta posição tão redutora – ou somos contra o eucalipto ou somos uns ignorantes e perigosos lacaios do grande capital e inimigos do ambiente e dos nossos co-cidadãos – é a mesma com que o Brexit, Trump, o Movimento 5 Estrelas e mais recentemente Bolsonaro foram eleitos. É a mesma que sustenta na Polónia e na Bulgária uma violenta recusa de aceitar refugiados e de respeitar o estado de direito e o direito internacional. É o populismo na sua mais pura essência que exclui o dialogo e o debate em favor de uma redução dos problemas complexos das nossas sociedades a resposta simples e de consumo instantâneo, com um qualquer bode a expiar todas as culpas.

É o populismo que encontra na perseguição do eucalipto a resposta fácil e “politicamente correcta” ao flagelo dos incêndios florestais em Portugal. Nunca me deixa de surpreender a ironia de culpar o eucalipto pela tragédia do Pinhal de Leiria. Se não fosse trágico seria cómico. Eu sei que há eucaliptos no Pinhal de Leiria. Como um pouco por todo o nosso país. Mas sei também que o que mais ardeu em Portugal não foram eucaliptos, nem em área absoluta nem em proporção à ocupação florestal do território. E isso é um facto. Como é um facto que onde o eucalipto é gerido arde muito pouco. Tal como onde os sobreiros, os carvalhos e as azinheiras estão ao abandono, ardem e bem quando por infortúnio lá chega o fogo.

Enquanto produtor florestal – de cortiça, pinha, madeira de pinho e, sim, de eucalipto – fico muito apreensivo com as limitações irracionais que foram colocadas ao eucalipto. Não me afetam diretamente para já, mas não têm sustentação racional e prejudicam gravemente muitíssimos produtores florestais, além de condenarem ao abandono largas áreas de território*.

Mas enquanto cidadão fico verdadeiramente em pânico ao ver o governo e a pretensa elite a tapar o sol com a peneira enquanto finge que está a resolver o drama humano e social dos incêndios florestais quando na verdade está apenas a atirar gasolina para a fogueira.

É populismo na forma – atacar as pessoas e não as ideias – e é populismo no conteúdo – atacar um bode expiatório ao mesmo tempo que se alimenta o problema para manter o ciclo vicioso do medo e da ignorância.

O drama dos incêndios florestais em Portugal há muito que merecia uma abordagem séria e estrutural, envolvendo as populações locais e olhando às verdadeiras causas e soluções, em vez desta falaciosa inquisição aos eucaliptos.

* Desafio os defensores das espécies autóctones a trabalhar 40, 50 ou 80 anos para só receber a totalidade dos ordenados no final – isto se não tiverem ardido ou se algum iluminado não tiver proibido a sua exploração comercial entretanto. Os mesmos que apontam e penalizam sem pejo as externalidades negativas, nunca vieram a público defender a necessidade de compensar as muitas externalidades positivas geradas pela floresta, condição indispensável à atratividade e sustentabilidade de uma floresta diversa e resiliente em Portugal. Onde se pode e deve incluir o eucalipto.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Populismo Florestal ou a inquisição dos eucaliptos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião