Portugal e o Brasil de Temer

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • 3 Setembro 2017

Temer demonstrou que a relação com Portugal pode servir como um dos instrumentos para exibir o reconhecimento internacional do seu Governo.

No dia 30 de Agosto, Michel Temer fez escala em Lisboa no voo que o levava para Pequim. Aproveitou a ocasião para celebrar uma reunião com Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, tendo a sua assessoria de comunicação divulgado amplamente os gestos de cumplicidade entre os dois presidentes. Este é apenas mais um dos vários encontros registados entre Temer e as autoridades portuguesas desde que assumiu funções, depois da controversa destituição de Dilma Rousseff no ano passado.

Com a queda de Rouseff, Portugal ganhou um destaque especial na política externa brasileira. Ao contrário dos seus dois antecessores imediatos, Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva, a anterior presidente demonstrara algum distanciamento em relação ao nosso país, tendo as suas presidências sido marcadas por uma política externa muito centrada no espaço latino-americano. Não tenhamos, no entanto, grandes ilusões. Michel Temer não descobriu subitamente as maravilhas de Portugal nem teve uma epifania em relação ao potencial estratégico do país. A forma como o Presidente brasileiro chegou ao poder, a degradação do sistema político e as suspeitas de corrupção em torno da sua figura conferiram-lhe um grau de toxicidade política que dificulta a sua afirmação internacional e que provoca o afastamento de alguns governos.

Que papel joga Portugal em tudo isto? O de quem não tem grandes opções. O Brasil é um parceiro histórico, com quem Portugal mantém fortes laços políticos, económicos e culturais e com quem partilha uma língua que carece de trabalho conjunto para a sua afirmação no contexto internacional. A Presidência da República e o Governo portugueses têm consciência de que, nesta matéria, a “realpolitik” se impõe a princípios éticos ou a alinhamentos ideológicos. O realismo nesta relação bilateral não é, de resto, uma novidade: o Brasil, governado em regime de ditadura militar de direita, foi o primeiro país a reconhecer a mudança de Governo desencadeada pelo 25 de Abril de 1974. Temer demonstrou, desde o início, que tem uma noção clara destas circunstâncias e de que a relação com Portugal pode servir como um dos instrumentos para exibir o reconhecimento internacional do seu Governo.

O grande problema da actual conjuntura parece, no entanto, ser a incapacidade de Lisboa para recolher alguns benefícios do oportunismo de Brasília. As empresas portuguesas que, nos últimos anos, sofreram as graves consequências da crise brasileira continuam a sentir as enormes dificuldades que qualquer (pequeno ou médio) empresário estrangeiro tem num país dominado pelo proteccionismo e por uma burocracia e um sistema fiscal kafkianos. As autoridades portuguesas, mantendo o respeito pela soberania e pelo quadro constitucional brasileiro, deverão ser mais assertivas na demonstração de que Portugal não serve apenas para legitimar Michel Temer e, mais do que nunca, deverão perceber que têm margem para fazer valer os seus interesses e reequilibrar a relação entre as duas partes.

O autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • Presidente da Câmara de Comércio Portugal – Atlântico Sul e professor universitário

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e o Brasil de Temer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião