“Que a curiosidade de prever o futuro seja silenciada para sempre”

Controverso, talvez. Mas não vamos para já silenciar a voz dos futuristas que nos dizem que “People are willing to trade freedoms for safety”.

A expressão é atribuída ao Imperador Constantino, em tempos em que já havia inquietos quanto ao futuro, entre eles, por exemplo os matemáticos. Hoje já não é silenciada, é antes amplificada pela nossa vivência digital, que cresceu em tempos de Pandemia, com o consumo de informação e entretenimento em nossas casas.

E continua a ser dos inquietos, o futuro. Há cerca de dois anos começámos a ver aquilo que se chamou “Protection Wear Is The Trend”, moda protetora, acima de tudo para nos proteger da incerteza dos dias, uma espécie de armadura que protegia a nossa identidade e a nossa saúde da crise ambiental.

A moda defensiva, se assim a quisermos chamar, não é nova. Mas de um conceito mais criativo do que propriamente negócio, torna-se hoje um nicho de mercado com potencial.

Os futuristas, em qualquer relatório que se leia por estes dias, apontam a segurança – física e financeira, como uma das grandes prioridades dos consumidores, no mundo pós-cóvid. É certo que vamos querer gastar menos – e aí já se assiste a um abrandamento ou à mudança do paradigma da fast fashion, mas vamos estar disponíveis para pagar mais por produtos que nos tragam esse sentimento de segurança. E “safety wins over privacy”, dizem os relatórios de tendências sobre o fim da Pandemia. Depois de preocupações e polémicas sobre a privacidade, o personal data, tudo indica que a situação se vai alterar com esta crise e que a segurança se vai sobrepor à minha privacidade. Controverso, talvez. Mas não vamos para já silenciar a voz dos futuristas que nos dizem que “People are willing to trade freedoms for safety”.

Se acreditarmos que é dos inquietos o futuro, Oskar Metsavaht é um deles. O fundador da marca brasileira Osklen que nos inspirou com os seus manifestos por uma indústria mais sustentável, acaba de lançar uma coleção de inverno, onde inclui peças verdadeiramente de moda protetora. Porque os tempos assim o exigem.

E entre os inquietos também já se trabalha o distanciamento físico e não social. Formas folgadas que nos deixem – corpo e mente, confortáveis no distanciamento que se pede. É o caso da Plataforma de Investigação e design @livable_world, que acaba de lançar um novo projeto para chamar a atenção da necessidade de nos mantermos próximos, dentro da distância.“If we do need to get out in the physical world, keep your distance and connect with positive vibrations surrounding you. Well-distance-being’ is not about being cold or distant. It is about being warm and present to what is best for everyone in the picture”.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Que a curiosidade de prever o futuro seja silenciada para sempre”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião