Revolução digital em contagem decrescente

  • Jorge Nunes
  • 27 Novembro 2018

A mudança não precisa ser uma ameaça. O novo ecossistema de energia oferece as oportunidades de reinvenção que muitas empresas de energia vêm procurando, depois de anos de erosão de receitas.

A contagem decrescente já começou para o setor das utilities atingir os três pontos de inflexão no caminho para um novo ecossistema de energia.

As utilities estão em contagem decrescente para a reinvenção. A comunidade ligada ao setor da energia há muito que sabe que uma grande onda de transformação está a chegar. As receitas têm sido pressionadas pelo aumento das energias renováveis; em 2016, a energia limpa representou quase dois terços da nova capacidade de energia líquida em todo o mundo.

O amadurecimento das tecnologias de energia renovável, a proliferação de recursos de energia distribuída, o custo decrescente de armazenamento das baterias e a mudança no comportamento dos consumidores estão a mudar a forma como produzimos, usamos, valorizamos e comercializamos energia elétrica.

Juntas, essas forças colocaram o setor da energia num caminho para três pontos de viragem críticos:

  1. Ponto de inflexão 1 – quando o custo e desempenho da energia fora da rede atingir paridade com a energia fornecida pela rede – prevê-se que a paridade de custo da rede irá ser atingida em 2021 na Oceânia.
  2. Ponto de inflexão 2 – quando os veículos elétricos (VEs) alcançarem paridade de preço desempenho com os veículos a motor de combustão – estudos apontam para 2025, em todo o mundo.
  3. Ponto de inflexão 3 – quando o custo de transporte da eletricidade exceder o custo de gerar e armazenar localmente – prevê-se que atingirá a região Nordeste dos EUA em primeiro lugar em 2039.

Os pontos de viragem têm consequências que mudam o jogo.

Esses pontos de inflexão marcam o momento quando tudo muda para as utilities. Eles anunciam o surgimento de um ecossistema de energia radicalmente diferente – onde a geração própria é uma opção acessível para todos, quando os VEs se tornam opções de mobilidade convencionais e quando os consumidores se tornam “prosumers”, produzindo a sua própria energia e levando à proliferação da geração de energia localizada.

Isso criará consequências que mudam o jogo para as utilities:

  • Maior complexidade na integração e gestão de fontes de energia distribuídas. As empresas neste sector enfrentarão mais problemas de desempenho, bem como custos crescentes para manter a rede.
  • Combinada com a rápida queda no custo das tecnologias de auto geração, o abandono dos consumidores irá ser mais acelerado e permitirá que concorrentes não tradicionais roubem quota de mercado, pressionando o modelo de negócio que sustenta as empresas do sector.
  • A grande aceitação esperada dos VEs criará carga adicional no sistema elétrico, mas a carga, se bem gerida, poderá transformar os padrões de uso de energia e melhorar a utilização da rede ao absorver a carga durante os períodos, altamente variáveis, de produção de energia renovável.
  • O mercado de energia precisará de ser digitalmente transformado à medida que a energia se torne mais exigente, local e dinâmica, requerendo uma maior intervenção a nível da distribuição para gerir a qualidade da energia.
  • Novos modelos financeiros e regulatórios serão necessários para gerir a rede de “informações”.
  • Aumento do escrutínio regulatório à medida que o custo de operação da rede é distribuído numa base menor, provocando tarifas mais altas.
    Perigos de interrupção do negócio por ataques cibernéticos.
  • Oportunidades de reinvenção.

A mudança não precisa ser uma ameaça. O novo ecossistema de energia oferece as oportunidades de reinvenção que muitas empresas de energia vêm procurando, depois de anos de erosão de receitas. O potencial de novos caminhos para o crescimento está à espera — para aqueles que se prepararem a tempo.

A verdade é que, à medida que a tecnologia evolui e os setores convergem, as possibilidades de negócio resultantes crescerão exponencialmente e tomarão formas que hoje não podemos imaginar. Há vinte anos, as chefias das empresas de telecomunicações imaginavam que um dia poderíamos controlar quase toda a nossa vida a partir de um smartphone?

  • Jorge Nunes
  • Partner da EY Portugal

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Revolução digital em contagem decrescente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião