Um Nobel contra o Facebookpremium

A escolha de dois jornalistas para o prémio Nobel da representa uma defesa poderosa da imprensa de qualidade e do papel do jornalismo na manutenção das sociedades livres.

Há pelo menos cinco anos que Maria Ressa alerta contra os perigos de uma sociedade de informação dominada por plataformas cujo único fito é o lucro. A partir de Manila, ela viu acontecer em primeira mão tudo o que viria a destabilizar o ocidente: viu as manipulações de discurso, as contas falsas, a distorção da verdade, as ameaças ao jornalismo e os ataques às minorias. Dmitry Muratov é o diretor da Novaya Gazeta, o único jornal livre de toda a Rússia – que nasceu graças a um apoio simbólico graças ao valor recebido por Gorbachev quando foi Nobel da Paz. O trabalho de Muratov, em condições que são difíceis de entender para qualquer habitante de um pais ocidental em que a democracia funciona, é um testemunho da liberdade e da independência de pensamento. Por isso, este ano, o Nobel da Paz

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos