Um orçamento para ganhar tempo

António Costa mudou de estratégia. Agora, apresentou um orçamento que evita o confronto com Bruxelas e ganha tempo. Mas o tempo que ganha é o tempo que o país perde.

Com este Orçamento do Estado, António Costa muda a sua estratégia. O Orçamento de 2016 tinha sido um exercício de tentativa de confrontação da Europa. Mas Costa terá percebido que esse caminho não só é perigoso e, como a Grécia demonstrou, não produz qualquer resultado positivo. Desta forma, e aproveitando alguns fatores externos que estão a ajudar a execução orçamental, o governo preparou um Orçamento apenas para continuar a ganhar tempo.

O momento de confrontar a geringonça com as medidas difíceis será o mais tarde que Costa conseguir. Ele sabe que o tempo joga a favor dele. Desgasta o PSD e Passos Coelho e “domestica” a extrema-esquerda. Mas o que nos diz uma primeira leitura, muito rápida, do Orçamento para 2017?

Os números de 2016

O Orçamento apresenta para 2016 um défice de 2,5% do PIB. Este número, sendo acima do prometido pelo governo (2,2%), está no limiar daquilo que a Comissão Europeia definiu como máximo para este ano. Se se confirmar este valor, não só o governo ganha uma batalha importante, como a execução orçamental de 2017 torna-se menos difícil.

Mas este número de 2016 tem ainda uma forte incerteza associada. Sobretudo do lado da receita. Olhando para os valores em Contabilidade Pública do OE/2017 (ótica de tesouraria), e tendo em conta os valores de agosto constantes do Boletim de setembro da DGO (em ambos os casos, Orçamento de agosto, valores para as Administrações Públicas) como é que se vai cobrar no ano inteiro 21,2 mil milhões (bis) de impostos diretos, quando até agosto só se cobrou 12,4 bis, com uma taxa de execução de 58%? E como é que se vai cobrar no ano inteiro 24,9 bis de impostos indiretos, se até agosto só se cobrou 16,3 bis, com uma taxa de execução de 66%? Estes números merecem preocupação. Se a execução orçamental se mantiver a este ritmo será necessário cobrar nos últimos 4 meses do ano mais 3 bis que no período homólogo.

O OE/2017 prevê que em 2016 a receita total cresça 4,1%, mas a receita está a crescer até agosto apenas 1,3%, embora a despesa esteja abaixo do projetado (mas aqui é mais difícil de aferir, tratando-se de contabilidade pública, se podemos estar apenas perante atrasos de contabilização e pagamento). Mas preocupante é que os impostos diretos devem cair 1,1%, e estão a cair 9,1%, sendo que os indiretos deviam crescer 7,1%, e estão a crescer 5,8%. Também as despesas com pessoal estão acima do projetado para o ano. Salva-se o investimento público.

Análise da execução em Contabilidade Pública para 2016

As contas de 2016 e o que o governo prevê para 2017.
Valores para 2015: Relatório revisto do OE/2016, pg 179. Valores para 2016: agosto (Boletim de setembro da DGO), restantes valores: OE/2017.Fonte: OE2016 e OE2017 (Valores em milhões de euros) 16 outubro, 2016

Em síntese, para chegar a 2,5% de défice em 2016 é preciso que corra tudo muito bem. Como não confio na projeção da receita fiscal, e no controlo das despesas que é apresentado, continuo a achar que o défice estará em torno dos 3%.

Os números de 2017

Se o governo conseguir um défice de 2,5% em 2016, o caminho para 2017 torna-se menos difícil. A redução do défice para 1,6%, implica uma redução de 1,5 p.p., dado que algumas medidas tomadas (redução da sobretaxa, 35 horas, IVA na restauração, reposição salarial e aumento de pensões), aumentam o défice em 0,6 p.p.

Mas esta redução é facilitada por vários fatores externos: os dividendos do Banco de Portugal (que concentra 85% do Quantitative Easing do BCE), o programa de recuperação de dívidas fiscais, a redução dos custos com PPPs rodoviárias (que atingiram o máximo em 2016, e que entre 2010 e 2016 mais que duplicaram em encargos anuais) e a recuperação da garantia do BPP, que permite reduzir o défice em 0,5 p.p. O restante esforço é feito à custa do aumento dos impostos indiretos e do IMI. Mas sobretudo por via do cenário macroeconómico.

Já o saldo estrutural que o governo prevê reduzir-se em 0,6 p.p. (cumprindo a regra do Tratado Orçamental), dificilmente a Comissão aceitará esse número. Isto porque as medidas descritas atrás foram incluídas no saldo estrutural, apesar do seu efeito pontual. E existem dúvidas sobre o valor do output gap do PIB (veja-se o parecer do CFP). Dificilmente o saldo estrutural irá reduzir-se.
Assim, os números para 2017 acarretam três grandes riscos:

  1. O ponto de partida de 2016 será mesmo de 2,5%?
  2. As medidas de fatores externos não são tão favoráveis.
  3. Um impacto do cenário macro muito otimista (o PIB cresce apenas mais 0,3 face a 2016, e a procura interna, que mais receita fiscal produz, reduz-se). Mas curiosamente, o governo tem uma almofada inesperada: o investimento público. Basta que se mantenha igual ao de 2016 (se se verificar o valor previsto) para haver uma folga de 0,4% do PIB face ao orçamentado para 2017.

O crescimento económico:

Regra geral, as previsões económicas deste OE são realistas. Mas fica o falhanço do modelo económico defendido há um ano atrás. Recorde-se que no programa do PS a economia deveria crescer 2,4% e 3,1% em 2016 e 2017, com um governo PS. Deveria crescer 1,7% em ambos os anos se o governo continuasse a ser PSD/CDS. No OE/2016 o cenário para 2016 passou para 1,8%. Neste OE, o crescimento de 2016 estima-se em 1,2% e em 1,5% para 2017.

O que falhou? Muita coisa, mas sobretudo dois aspetos: a procura interna não tem o efeito multiplicador que a equipa de Centeno estimou. Os últimos 15 anos da economia Portuguesa poderiam ter servido de exemplo. Mas sobretudo o investimento não descolou (devia crescer em torno dos 8%/ano no programa do PS e está a crescer a um terço desse valor).

Do lado do investimento público já vimos que ele foi fortemente reduzido em nome do défice. O investimento privado não sente confiança: todas as medidas tomadas pelo governo não criam nem confiança externa nem melhoria da competitividade da economia. Não há neste orçamento uma verdadeira política de melhoria da competitividade e de atração de investimento (sobretudo estrangeiro)

Em síntese

António costa, mestre da política de equilíbrio e poder, ganhou tempo. As instituições que se pronunciam sobre a política orçamental (UTAO e CFP internamente, e Comissão e FMI externamente), bem como as entidades privadas como agências de rating e analistas vão desconfiar e duvidar das contas de 2016 e 2017. Mas provavelmente a Comissão dará o benefício da dúvida. E com isso Costa ganha mais uns meses.

O problema é que o tempo que ele ganha é o que o país perde. Este é um orçamento de adiar problemas e respostas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um orçamento para ganhar tempo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião