Uma causa (hoje) impossível

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • 22 Outubro 2017

A independência da Catalunha, nas actuais circunstâncias, é uma utopia.

Nos últimos meses, o grande erro dos que sonharam com este objectivo a curto-prazo e dos que confundiram desejos com análise residiu na desvalorização da dimensão jurídica do problema. Não há como negar que o problema catalão é político, mas também não podemos pensar que um Estado, dispondo de ferramentas jurídicas, não as vá utilizar e não lute pela própria sobrevivência.

A constituição espanhola sempre esteve presente para quem a quis ver. Aprovada em 1978, é um reflexo dos alinhamentos políticos do pós-franquismo e um guião que, embora comporte algumas indefinições em termos de aplicação, aponta um caminho claro no que respeita à substância. O já famoso artigo 155º, baseado no artigo 37º da Lei Fundamental de Bona (constituição alemã), durante anos votado ao esquecimento, foi accionado por Mariano Rajoy e encaixa na perfeição no desafio catalão. Servirá como instrumento para que, de uma assentada, o Estado suspenda o processo, demita de forma compulsiva o governo autonómico e volte a entrar em força na Catalunha.

O caminho que está a ser seguido era previsível e nunca pareceu haver margem para diálogos fora das balizas constitucionais. Nos últimos meses, Madrid fervilhou com o desafio lançado por Barcelona. À medida que o processo evoluía para o terreno da insubordinação ia engrossando o caudal de vozes políticas, empresariais, sociais e culturais que exigia “mão dura” com os catalães. A reacção estupidamente desproporcionada das autoridades espanholas à tentativa de referendo do dia 1 de Outubro, o único grande revés de Rajoy neste caminho, foi rapidamente corrigida pelo acordo estabelecido com o principal partido da oposição (PSOE) para a aplicação do artigo 155º.

Um partido no governo (PP) marcadamente conservador e sedento de temas para ocultar a corrupção que o corroeu, um líder do PSOE com um percurso acidentado e incapaz de romper com os históricos e um Ciudadanos (quarto maior partido) com grande necessidade de afirmação e de fixar eleitorado nacionalista espanhol constituem uma base mais do que suficiente para intervir na Catalunha. Porém, serão necessárias algumas semanas para avaliar as consequências do processo que terá início, em termos práticos, no dia 30 de Outubro. Para já, o atraso na aprovação do orçamento de Estado espanhol para 2018 já é uma certeza, sendo difícil que os nacionalistas bascos (que viabilizaram o orçamento de 2017) voltem a servir de muleta ao PP.

Carles Puigdemont, o presidente da Generalitat, ainda tem uma válvula de escape: convocar eleições para o parlamento catalão no início desta semana. Recuar para impedir uma catástrofe política, neste contexto, não implica romper com os princípios, sobretudo quando não há instrumentos, para lá da mobilização nas ruas, que permitam evitar uma derrota. A Catalunha não precisa de mártires políticos por uma causa (hoje) impossível. Precisa, isso sim, de preservar o seu auto-governo e de impedir que o nacionalismo espanhol entre em força nas suas instituições numa actuação de desfecho imprevisível.

O autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • Presidente da Câmara de Comércio Portugal – Atlântico Sul e professor universitário

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uma causa (hoje) impossível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião