Bloco fala em “ataque terrível” à autodeterminação catalã

  • Lusa
  • 21 Outubro 2017

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou a decisão de Mariano Rajoy de tirar direitos à Catalunha, considerando que "a repressão não é um caminho aceitável em estados democráticos".

A coordenadora do BE, Catarina Martins, criticou hoje o “ataque terrível” do Governo espanhol “ao mais básico direito à autodeterminação de um povo” na Catalunha, considerando que “a repressão não é um caminho aceitável em estados democráticos”.

No discurso da sessão de abertura da quinta cimeira por um “Plano B” para a Europa, que decorre até domingo em Lisboa, Catarina Martins afirmou que o encontro europeu começa no dia em que “o Reino de Espanha decide dizer à Catalunha que não tem direito à sua autonomia” e “decide ativar o artigo da Constituição que substitui às autoridades regionais, num ataque terrível ao mais básico direito à autodeterminação de um povo”.

“Há uma coisa em que eu julgo que estamos unidos e em que a nossa solidariedade e determinação é essencial que é o direito à autodeterminação da Catalunha”, afirmou, declaração que gerou uma grande ovação pela audiência. Na opinião da líder do BE, “interessa pouco” aquilo que cada um “acha sobre a independência da Catalunha (…) mas interessa tudo dizermos que o povo catalão tem direito a ter uma palavra e a repressão não é um caminho aceitável em estados democráticos”, apelou.

Catarina Martins admite que pode haver “opiniões diferentes sobre a independência da Catalunha” – salientando que audiência “haverá pessoas com várias opiniões” – e podem também existir “visões diferentes sobre como o Governo regional da Catalunha está a dirigir o processo”.

“Bem e à esquerda há divergências claras, com um Governo maioritariamente de direita da Catalunha, não é novidade para ninguém”, realçou. Para a coordenadora do BE, cabe a todos dizer que “a repressão não pode ser um caminho do Estado espanhol”. “Somos assim: solidários, democratas, internacionalistas”, concluiu.

O Governo espanhol propôs hoje destituir o presidente da Catalunha e todos os membros do seu executivo, limitar as competências do parlamento regional e marcar eleições num prazo de seis meses.

Estas foram as principais medidas de aplicação do artigo 155.º da Constituição espanhola para repor a legalidade na Catalunha que agora têm de ser aprovadas pelo senado (câmara alta), muito provavelmente na próxima sexta-feira, 27 de outubro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco fala em “ataque terrível” à autodeterminação catalã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião