Uma ideia para 2022: Menos tudólogos e conversa fiada, mais ciênciapremium

Ficam os votos de que 2022 seja um ano de menos conversa fiada, em que a ciência e conhecimento ocupam quer os gabinetes das tomadas de decisão, quer o espaço público e mediático.

Uma das espécies autóctones mais talentosas que temos em Portugal é o tudólogo, o indivíduo que sabe tudo sobre tudo. A sua especialidade é política nacional e internacional, futebol, justiça, aquecimento global, transição energética, incêndios, Médio Oriente, tecnologia, Chefes do Estado-Maior da Armada, só para listar algumas das áreas. É exímio em tudo e nunca tem dúvidas. Normalmente aparecem-nos como opinion makers, comentadores de televisão, colunistas em jornais e nas redes sociais onde botam palavra usando o mesmo rigor que todos usamos à mesa do café, na conversa no táxi ou num postde Facebook. Uma das suas principais competências é a mestria com que utiliza motores de busca. Às vezes é possível vê-los já no estúdio de televisão a recorrer ao iPad para ultimar a sua resposta. O

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos