Editorial

Uma OPA geopolítica com ‘energia’ limitada

A China lançou uma OPA para mandar na EDP, uma oferta geopolítica que tem um preço com 'pouca energia'. A caixa de pandora está aberta, mas António costa já disse de que lado está.

Um presidente, duas fações, uma OPA. Foi assim, exatamente no dia 5 de abril, data da assembleia-geral de acionistas que elegeu António Mexia, que o ECO descreveu o estado da EDP. Passados 36 dias, a China Three Gorges (CTG) deu o passo que faltava para acabar com a paz podre em que já tinha caído a elétrica e, sobretudo, sobre o poder de decisão de um acionista e de um Estado, o chinês, que ultrapassa, em muito, as fronteiras portuguesas. A Oferta Pública de Aquisição (OPA) da CTG sobre a EDP é, talvez, a primeira operação em Portugal com efetivo impacto económico, empresarial e, sobretudo, político mundial. É este o valor da elétrica, é a geopolítica a partir de Lisboa.

Como é evidente nos últimos anos, a China decidiu há muito trocar a força militar pela força dos negócios e é isso que lhe confere, hoje, o peso e influências internacionais. Esta OPA tem esse alcance, não se engane quem pensa que esta é uma operação puramente empresarial, não, é uma operação de Estado, é geopolítica nas suas diversas dimensões. E, ironicamente, o negócio da EDP em Portugal é o que menos interessa, é quase irrelevante, porque não há ninguém que invista dez mil milhões para vender energia em Portugal.

A OPA tem de passar o crivo de várias geografias, e esse é o seu principal risco, e para a própria empresa, diga-se, se for bem sucedida. Porquê? Os chineses prometem continuar a fazer crescer a empresa, mas a OPA tem de passar por autorizações nos EUA e na Comissão Europeia e, se passar as previsíveis exigências dos reguladores desses países perante uma nacionalização chinesa, haverá remédios que vão pôr em causa a empresa tal como a conhecemos. Será outra EDP, nacionalizada pela China, e isso é outro dado relevante nesta operação. E é também por isso que é estranho ouvir o primeiro-ministro António Costa, tão afoito, a apoiar declaradamente e de forma tão precipitada uma operação cujos desenvolvimentos desconhece totalmente. Ainda antes sequer de se conhecer o anúncio preliminar, Costa ‘meteu’ o governo e o Estado, que não é acionista, num negócio de uma empresa privada. Já sabemos que, para o Governo, a EDP pode ser controlada a 100% por outro Estado, e que Estado, como chamava a atenção o Financial Times logo após ser conhecida a OPA.

Os chineses já controlavam quase 29% do capital e, agora, propõem-se comprar as ações necessárias para controlar pelo menos 50% das ações mais uma da elétrica, além de exigirem, claro, a chamada desblindagem de estatutos, isto é, o limite de qualquer acionista a votar apenas com 25% do capital. O preço é curto, 3,26 euros por ação, menos do que o que pagaram em 2011 quando entraram na EDP. A China tem o poder de veto para evitar ofertas de concorrentes, e por isso a EDP ainda não tinha entrada no movimento de fusões na Europa. Mas não tem o poder de impor uma estratégia, e é isso que os chineses querem mudar com esta oferta.

Ao lançarem uma OPA, sobretudo com este baixo preço, abriram uma caixa de pandora, a que o primeiro-ministro deu o seu aval. Por isso, é certo, haverá outras ofertas, e podemos já enumerar os principais candidatos: A italiana Enel/Endesa, a francesa Engie e a espanhola Gas Natural/Fenosa. A partir de agora tudo será diferente qualquer que seja o seu desfecho. E é provável antecipar que… o menos provável é a manutenção de uma empresa independente, e só dependente de si. Este é o pior ponto desta OPA.

Uma última nota para António Mexia: Até agora, havia duas fações na EDP, e António Mexia não estava, nem está, do lado dos chineses, ou, no mínimo, nunca aceitou a supremacia de um acionista sobre os outros. Mexia foi reconduzido recentemente em assembleia geral de acionistas, com o voto dos chineses, não propriamente por convicção, mas por interesse… e necessidade, para evitar ruturas prematuras, antes do seu próprio calendário.

Agora, o gestor vai ter uma tarefa mais complexa do que aquela que teve quando foi feita a privatização. Já é certo que vai defender que o preço é baixo, e que a OPA é ‘não solicitada’. Se a OPA for bem-sucedida, coisa que só se deverá saber no primeiro semestre de 2019, Mexia estará de saída, não quererá ficar como presidente executivo de uma empresa pública chinesa, e os chineses, se vieram a mandar, também não o vão querer. Mas apesar da sempre presente ‘fulanização’ das discussões em Portugal, Mexia não é o ponto central desta OPA. Será relevante no seu desfecho, porque não vai ficar parado, e vai ser claro de que lado estará perante as ofertas concretas, esta e outras? Sim, mas o que está em causa ultrapassa-o, a ele, e até ao próprio governo. Já não há retorno.

 

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uma OPA geopolítica com ‘energia’ limitada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião