Vem aí a CMTVI

A compra da TVI pela Cofina é uma desgraça para a qualidade do espaço público nacional.

A concretização da entrega de um canal aberto de expressão nacional ao grupo que possui o título mais populista da imprensa portuguesa deverá ter consequências desastrosas. O que se pode esperar para a nova TVI é a fórmula Correio da Manhã: crimes, propagar de discursos que estão no limiar do racismo ou do apelo à violência, utilização do futebol para incitar ao tribalismo mais exacerbado – o “nós contra eles” que está presente em todas as discussões. São técnicas perigosas, não só porque funcionam mas também porque trazem com elas a degradação consciente do espaço público.

Este processo é conhecido e já existe em Portugal há algum tempo. A degradação do espaço público ganhou força com os movimentos organizados de ataque aos jornais e aos jornalistas, muitas vezes a partir de páginas nas redes sociais. Isso contribuiu para a erosão da confiança e da credibilidade da função do jornalista, que passou a ser atacado cada vez que emitia uma opinião ou uma ideia estruturada – rapidamente isto estendeu-se até aos especialistas, que passaram a ser vistos como parciais e dependentes de interesses obscuros.

Tudo passou a fazer parte de uma teoria da conspiração, a opinião especializada passou a valer o mesmo que a do cidadão ignorante e o método científico perdeu relevância para os sentimentos – “se eu sinto que tenho razão, é porque tenho mesmo” passou a ser a lógica dominante do espectador.

O apelo a esses sentimentos acaba por valer mais do que a racionalidade informativa. A CMTV não passa horas a dissecar crimes por causa da sua relevância informativa, fá-lo porque isso apela aos sentimentos mais básicos dos cidadãos – e porque isso gera audiências. São esses mesmos sentimentos que os políticos populistas exploram um pouco por todo o mundo. Quando os especialistas não têm valor e jornalistas são todos os que escrevem algo que passe por notícia, está aberto o caminho para propagar teorias da conspiração que criem audiências. E essas teorias são muitas e variadas: sobre as vacinas que provocam autismo, sobre as qualidades da homeopatia, sobre as hordas de ciganos criminosos ou sobre o manto de corrupção que envolve todas as esferas da vida portuguesa, do futebol à justiça.

É nesta lógica que é tremendamente perigosa a entrega de um canal televisivo nacional a um grupo que sabe fazer dinheiro com informação populista – especialmente tendo em conta que o regulador da comunicação social tem uma comprovada inexistência histórica.

Bem pode a Cofina apregoar que vai manter a linha editorial da TVI, de forma a garantir o negócio. O mais provável é que seja apenas uma questão de (muito pouco) tempo até que as personagens odiosas do populismo nacional comecem a espreitar pelo canal 4. E, tendo em conta que os interesses financeiros do seu principal acionista estão ligados a uma das indústrias mais poluidoras do país, não se esperam na nova TVI grandes notícias sobre inação climática (ou pelo menos sobre o combate à poluição no Tejo ou ao papel do eucalipto nos incêndios).

Quando as overdoses “noticiosas” mais populistas começarem a legitimar discursos racistas, muitos se vão perguntar o que está mal. Aí, serão muito os culpados: certamente os jornalistas que fazem parte destes títulos e os reguladores do setor, mas também as figuras públicas que vendem a sua credibilidade opinativa ao lado das notícias populistas. Sendo certo que os principais responsáveis serão mesmo os públicos que validam esta linha de atuação e que criam riscos para o seu próprio modo de vida.

Ler mais: o ecossistema de mentiras norte-americano está documentado de forma brilhante no Network Propaganda, um livro escrito por três académicos (Yochai Benkler, Robert Faris e Hal Roberts) e que está disponível gratuitamente. Lá explica-se como um boato das redes sociais se transforma numa “notícia” e como isso depois já justifica que seja discutida no espaço público. Há paralelismos com a situação portuguesa, que se podem tornar mais óbvios nos próximos anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí a CMTVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião