Vem aí mais dinheiro do BCE. Para quê?

Draghi é um inconformado. Daí que, anos depois de mostrar como se sai de uma crise, queira agora voltar a brilhar perante a inversão do ciclo. Acena com dinheiro, mas quem o quer?

Mario Draghi é um “mãos largas”. Tem-no sido desde que se sentou na cadeira do poder do euro, cortando juros sucessivamente, cedendo dinheiro à banca a taxa zero e, até, gastando milhares de milhões de euros com a compra de dívida pública. Medidas excecionais justificadas com uma promessa feita em pleno verão de 2012.

“Dentro do nosso mandato, o BCE está preparado para fazer o que for preciso para salvar o euro. E, acreditem, será suficiente”. Foi com esta frase, que está ainda na memória de muitos, que o presidente do BCE arrancou para um programa de estímulos como nunca visto na Zona Euro.

Juros? 0%. Dinheiro para a banca? Muitos milhões. Para os países (através da compra de obrigações do Tesouro)? Milhares de milhões de euros. Com esta bazuca de dinheiro, Draghi fez o que os políticos não conseguiram fazer. Deu o impulso necessário para que a economia da região saísse da recessão. Trouxe o crescimento de volta, garantindo a sobrevivência do projeto da moeda única.

Foi uma jogada de mestre. Super Mario — como carinhosamente é apelidado — mostrou como se faz, levando a Zona Euro a passar para o nível seguinte, mas com menos ‘vidas’ do que se poderia pensar. A economia cresce, mas os problemas do passado continuam a fazer sombra. E a potência da região só resiste enquanto as superpotências o fizerem.

Com os EUA e a China a darem sinais preocupantes — a guerra comercial instigada por Donald Trump não ajuda nada –, a Zona Euro volta a mostrar a sua fraqueza. Iludidos pelo dinheiro fácil, os países pouco fizeram para implementarem reformas que ajudem a acelerar em momentos de inversão de ciclo. E esse momento chegou.

A Zona Euro cresce, mas pouco. Vai pouco além de 1%, um ritmo que não augura nada de bom para os anos que aí vêm. Com uma população envelhecida, uma expansão morna e (perspetivas de) dificuldades em abandonar políticas altamente expansionistas, há quem veja na Zona Euro um novo Japão.

Draghi não esconde os números. Mas é um inconformado. Daí que, anos depois de mostrar como se faz, queira agora tentar continuar a ser a “máquina de dinheiro” que alimenta o euro. Quer, mas não vai ser fácil. A bazuca está gasta. Não há muito mais munições para usar… O BCE tem um balanço gigante, que não pode crescer muito mais.

O que resta? A taxa de juro não mexe. Draghi não vai subir depois do verão, como se previa, conseguindo a proeza de abandonar a cadeira do poder sem nunca subir os juros. E tenta acrescentar alguma pólvora para dar chama à economia, mas sem grande inovação. Já fez dois, agora vai para o terceiro pacote de empréstimos de longo prazo para a banca.

Vem aí um TLTRO III, com mais milhares de milhões de euros a custo zero para os bancos da região que, acredita o BCE, serão utilizados para financiar as empresas na expectativa de que estas procurem investi-los para crescerem, levando consigo o PIB. É, pelo menos, esse o sonho…

Mas os TLTRO já não são o que eram. Se a primeira versão foi bastante concorrida, a segunda já não contou com tanto entusiasmo. Poucos bancos participaram nesta operação, sendo a maior “fatia” do dinheiro arrebatada pelas instituições de países com maiores dificuldades, casos de Portugal (apesar de só o Novo Banco), Espanha e Itália.

Agora, neste terceiro pacote, dificilmente haverá uma corrida. Porquê? Dinheiro, os bancos têm. Têm muito, mesmo. E barato. Querem emprestá-lo, mas a grande questão é a quem. Essa é uma realidade em vários países, entre os quais Portugal. Apesar das sucessivas críticas à atuação da banca portuguesa, nomeadamente no que toca à concessão de créditos às empresas, a verdade é que não há muitas empresas a baterem à porta dos bancos. E a conjuntura atual pede cautela perante grandes voos.

As que batem à porta, muitas vezes não o fazem pelos melhores motivos. Estão em situações débeis, não em busca de crescimento, antes de salvação. E aí, os bancos, escaldados com o passado, ainda com um fardo gigante às costas, trancam as portas. Há dinheiro, mas só para bons negócios. Mario Draghi pode acenar com os euros que quiser, mas sem boas empresas a quem emprestar, quem quer dinheiro emprestado, mesmo à “borla”?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Vem aí mais dinheiro do BCE. Para quê?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião