Fact check: a luta dos gráficos das exportações no debate quinzenal

António Costa mostra um gráfico, PSD riposta. Governo defende que exportações aumentaram, Passos Coelho refuta. Mostram os dois os mesmos dados?

Os gráficos invadiram o debate quinzenal com o tema das exportações a fazer furor. O primeiro-ministro António Costa foi o primeiro a lançar-se com as colunas das exportações para desmistificar um argumento da oposição: desde que o Governo entrou, as exportações baixaram. Costa levantou o braço e deu à luz um gráfico para o provar.

Gráfico do governo vs. gráfico do PSD

As colunas mostravam o valor bruto das exportações de bens e de serviços. É este termo específico que faz toda a diferença na discussão. É que ao incluir os serviços nas exportações, o governo faz valer a ideia de que as exportações aumentaram comparando os segundos trimestres de 2015 e de 2016, tal como mostra o gráfico distribuído aos jornalistas:

No entanto, não é novidade que as exportações dos serviços, particularmente as do turismo, estão a correr bem e apresentam um excedente. Só assim é possível dizer que Portugal tem uma balança comercial positiva. E, neste caso, que os valores brutos das exportações estão a aumentar em relação ao mesmo período do ano passado.

Contudo, o mesmo não se pode dizer quando se encurta a análise para as exportações de bens, aquelas que o Instituto Nacional de Estatística divulga todos os meses e que a oposição, principalmente o PSD, tem usado para atacar a estratégia de Mário Centeno. O gráfico distribuído aos jornalistas pelo PSD tem como fonte o Ministério da Economia e mostra a diminuição das exportações desde fevereiro deste ano:

O veredicto final depende dos dados a usar no debate. Como Governo e PSD usam dados diferentes, tanto se pode dizer que as exportações estão a subir, se estivermos a incluir os serviços nas contas, como que as exportações estão a descer, se estivermos apenas a considerar as exportações de bens.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fact check: a luta dos gráficos das exportações no debate quinzenal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião