União Europeia identifica mais 5 milhões de bens contrafeitos em 2015

A União Europeia está a falhar na luta contra a contrafação de bens. Em vez de diminuir, o número estimado de bens contrafeitos aumentou 15% em 2015.

As autoridades aduaneiras (Autoridade Tributária e Aduaneira, em Portugal) não foram capazes de travar a contrafação na União Europeia. Pelo contrário: os bens contrafeitos aumentaram cinco milhões em comparação com 2014. Estima-se que todos esses bens somam um valor de 650 milhões de euros, divulgou esta sexta-feira a Comissão Europeia (CE).

São mais de 40 milhões de produtos que estão “suspeitos de violarem o direito à propriedade intelectual”, escreve a CE no comunicado enviado às redações. Este foi o número de bens falsificados que foram confiscados nas fronteiras periféricas da União Europeia.

Isto, pelo menos, dos bens que foram intercetados, uma vez que o bolo total pode ser superior. O comissário dos Assuntos Económicos e Monetários realçou o trabalho “excelente” das autoridades. No entanto, Pierre Moscovici reconhece que “não existem sinais de abatimento” do crime de falsificação de bens.

Os bens mais falsificados

  1. Cigarros (27%)
  2. Outros bens como baterias, móveis, manuais, pesticidas, cola (+ de 10%)
  3. Brinquedos (cerca de 9%)

Os bens por maior valor de mercado

  1. Relógios (cerca de 24%)
  2. Carteiras e malas (cerca de 9%)
  3. Roupa (cerca de 7,5%)

Países de origem dos bens falsificados

  1. China + Hong Kong (50%) em telemóveis, acessórios, isqueiros, cartões de memória, computadores, CDs e DVDs
  2. Montenegro (17,65%) em cigarros
  3. Malásia (8,66%) em artigos de higiene pessoal

O comércio total dentro da União Europeia, em 2015, representou 15% do comércio global. No total o comércio da UE valeu 3,5 triliões de euros.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia identifica mais 5 milhões de bens contrafeitos em 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião