União Europeia suspendeu sanções e já não considera as FARC como uma organização terrorista

Foi assinado esta segunda-feira o acordo de paz entre a Colombia e as FARC. Para ajudar o país, a UE suspendeu as sanções económicas às FARC e retirou o movimento da lista de organizações terroristas.

A União Europeia (UE) suspendeu as sanções às FARC graças ao acordo de paz assinado no arranque desta semana. O anúncio foi feito pela chefe da diplomacia europeia antes da assinatura do acordo entre o Presidente colombiano e o chefe das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Federica Mogherini garantiu que “isto vai permitir-nos apoiar o programa pós-conflito, benéfico para o povo colombiano”.

Esta é uma suspensão, não uma eliminação total da lista. Significa assim que, a título provisório, as FARC vão ver os seus bens descongelados, vão poder dispor de fundos, entre outras sanções aplicadas quando foram consideradas uma organização terrorista. Além disso, a UE vai lançar um pacote de quase 600 milhões de euros para ajudar a consolidar a paz na Colômbia.

 

A decisão foi feita pelo Conselho da Europa e estima-se que prolongue-se durante seis meses. Após esse período e conforme o cumprimento do acordo de paz, existirá uma nova avaliação da situação diplomática com a Colômbia, em específico as FARC.

As FARC estavam desde 1964 em guerra contra o governo colombiano. Após o 11 de setembro, foi criada pela União Europeia uma lista de organizações terroristas onde as FARC foram incluídas em 2002. A inclusão na lista implicou o imediato congelamento de fundos e bens financeiros dos membros das FARC em território dos países europeus.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia suspendeu sanções e já não considera as FARC como uma organização terrorista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião