Portugal é o país da UE que depende mais do mar para comércio

O mar é essencial para o comércio extra-UE que Portugal faz, se estivermos a contabilizar o valor dos bens transacionados. Os números foram divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat.

Mais de metade do valor do comércio da União Europeia (UE) com o resto do mundo é feito pelo mar. Portugal é o país que mais contribui para essa dependência dos portos marítimos. É que de todos os países da UE, Portugal é o que maior percentagem de comércio extra-UE, em termos do valor de bens, é transacionado pelo mar: 81% no total, incluindo exportações e importações. Os números foram divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat para celebrar o Dia Marítimo Mundial que acontece esta quinta-feira, dia 29 de setembro.

O número no total dos países da União Europeia é menor: representa 51%, ou seja, 1,77 mil milhões de euros em transportes marítimo. Esta tendência de dependência do mar é crescente desde 2006 onde o valor era de 47%. Portugal é o primeiro da lista à frente do Chipre (80%), Grécia (77%), Espanha (74%) ou Malta (67%).

Além disso, fazemos transações mais valiosas nas importações do que nas exportações. Do valor total do comércio português extra-UE, 83% das importações chega via marítima e um pouco menos, 79%, das exportações vão mar fora até ao país de destino.

Em 2014, os portos marítimos de Roterdão, Antuérpia e Hamburgo – todos situados na costa do mar do Norte, inserido no Oceano Atlântico – eram os três maiores da UE em termos do peso dos bens transacionados.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é o país da UE que depende mais do mar para comércio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião