Versões de luxo do Airbnb garantem renda com segunda casa

  • Bloomberg
  • 4 Outubro 2016

Ter um quarto extra pode ser mais rentável do que partilhar casa com alguém: tudo graças à economia da partilha.

Graças ao astronómico crescimento do Airbnb e da economia de partilha, ter um quarto extra pode ser mais rentável do que dividir o apartamento com alguém. Se esse “quarto extra” for uma casa de campo ou um imóvel em Paris, o proprietário estará sentado sobre uma mina de ouro.

Só tem um problema. Alugar a casa pelo Airbnb exige presença na área: alguém para entregar e receber as chaves ou solicitar uma faxina depois que o hóspede for embora. Também é preciso lidar com os consertos do canalização, a limpeza da entrada e responder às perguntas por email. Em alguns lugares, também é necessário pagar impostos — mesmo que os arrendamentos a curto prazo sejam permitidos legalmente.

Claro que existem empresas de gestão que ajudam a lidar com essas dores de cabeça. Mas, para aproveitar a economia da partilha como um meio de pagar o financiamento imobiliário, há opções que cuidam de todo o trabalho e da manutenção. Essas empresas prometem anunciar a propriedade entre um conjunto selecionado de residências de alto padrão, cuidar dos detalhes jurídicos, contratar empreiteiros e consertos, oferecer assessoria com reformas e decoração, e até mobilar um imóvel vazio se for apenas um investimento.

Tradicionalmente, ter uma segunda casa não é o melhor investimento financeiro.

Wade Shealy

Presidente da ThirdHome

Explicamos duas delas para escolha de acordo com os objetivos dos proprietários.

  • Se o objetivo for fazer um bom investimento imobiliário:

Se a ideia for comprar uma casa em um bairro de Los Angeles que está ficando mais nobre, como o Highland Park, deixar que se valorize durante alguns anos e depois vendê-la a alguma celebridade, a melhor opção é a Sonder.

Este novo serviço, que entrou em funcionamento em 21 de setembro, regista apenas casas de férias e imóveis de investimento, que a empresa então mobília, fotografa e aluga. “Nosso objetivo é criar a melhor experiência do mundo para os hóspedes e, ao mesmo tempo, também gerar mais renda com uma determinada unidade imobiliária”, disse Francis Davidson, cofundador e presidente da Sonder. “Essa combinação tem potencial para ser um negócio muito grande.”

  • Se o objetivo for viajar pelo mundo (quase) de graça:

Desde 2010, a ThirdHome conquistou 7.000 donos de propriedades de férias com sua luxuosa versão da troca de casas. Em comparação com concorrentes como Knok ou Exchange, da Kid & Coe, o serviço tem uma carteira mais internacional e de maior nível. As casas no site custam entre 500.000 e 50 milhões de dólares, e os proprietários ganham “chaves” de acordo com o valor do próprio imóvel e com a frequência em que o disponibilizam para aluguel. A sazonalidade também influencia o algoritmo. Depois, essas “chaves” podem ser trocadas por estadias em outras casas disponíveis no site, em lugares tão diversos quanto Quênia, Colorado, Hamptons e Roma. O que é necessário para participar? Ter uma (boa) casa de férias e pagar a taxa inicial de mais de 2300 euros.

“Tradicionalmente, ter uma segunda casa não é o melhor investimento financeiro”, disse o presidente da ThirdHome, Wade Shealy. “Mas muita gente me diz que mantém uma segunda casa só para continuar participando [da ThirdHome].”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Versões de luxo do Airbnb garantem renda com segunda casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião