Sword Health. A fisioterapia em casa, quando nasce, é para todos

Startup portuguesa criou uma aplicação móvel que permite fazer reabilitação motora em casa, com acompanhamento remoto por parte de uma equipa médica.

Quando, aos dez anos, viu o irmão de doze ficar em coma durante seis meses depois de ter sido atropelado, Virgílio Bento percebeu que não há fisioterapeutas suficientes para responder a todos os pacientes. O problema pode traduzir-se com uma equação simples: o tratamento de uma pessoa que sofra um AVC deveria passar por duas horas de fisioterapia por dia; só há recursos humanos suficientes para duas horas por semana, por paciente.

Hoje, aos 31 anos, Virgílio está a meio caminho de resolver esse problema. Depois de dois anos de desenvolvimento e de testes piloto, a SwordHealth, startup que fundou em 2013 e que já foi considerada pela Comissão Europeia como uma das empresas mais inovadoras da Europa, acaba de lançar para o mercado uma aplicação móvel de reabilitação motora, adequada às especificidades de cada doente.

A solução chama-se Sword Arya e permite fazer uma reabilitação independente e em casa, com acompanhamento remoto constante por parte da equipa médica da Sword. Os exercícios são simplificados ao máximo: os pacientes vestem módulos no membro a reabilitar e a aplicação monitoriza os exercícios que estão a ser feitos, avaliando a velocidade, a correção e a concretização de cada movimento, como se vê no vídeo:

No final, a equipa médica da Sword recebe os resultados dos exercícios feitos pelos pacientes, o que lhe permite corrigir ou ajustar os planos personalizados de fisioterapia.

O simples facto de o paciente poder fazer os exercícios prescritos mais vezes, sozinho ou acompanhado pelos seus cuidadores, aumenta exponencialmente as suas probabilidades de recuperação, quer em termos de tempo que leva a recuperar, quer em termos de amplitude dos movimentos que recupera. Mais concretamente, 93% dos doentes que já utilizaram a aplicação, nos testes piloto, apresentaram melhorias na qualidade da execução das tarefas motoras.

"É inevitável que o Sword seja abrangido pelo Serviço Nacional de Saúde, porque oferece resultados maximizados com baixos custos e uma monitorização constante”

Virgílio Bento

CEO da Sword Health

Ao mesmo tempo, os preços são muito mais acessíveis para o paciente, que teria de pagar até cinco vezes mais se tivesse de pagar pelos serviços de um terapeuta. A tecnologia da Sword, que já inclui o acompanhamento dos médicos da empresa, está disponível a partir de 50 euros por mês, dependendo do tipo de problema de cada doente.

Para já, este custo é suportado pelo paciente, mas Virgílio Bento acredita que não faltará muito para a tecnologia ser abrangida pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS). “É inevitável, porque o Sword oferece duas coisas que o SNS adora: resultados maximizados com baixos custos e uma monitorização constante — tudo o que o paciente faz, o médico sabe”, diz ao ECO.

O facto de ser uma solução tecnológica também não é entrave para os pacientes mais velhos. “Pessoas de 90 anos usaram a aplicação e o feedback foi muito bom, porque o interface é muito simples e intuitivo, funciona muito à base de voz e de cores. E, como fizemos um trabalho de simplificação muito extenso para facilitar o trabalho do terapeuta, isso também se reflete para os pacientes”, conta Virgílio Bento.

A Sword Arya permite a recuperação de doentes com lesões neurológicas (como AVC) e músculo-esqueléticas (ancas, joelho, ombro, quedas, etc.).

Portugueses e chineses já podem reabilitar-se em casa. Americanos também vão poder

Desde que arrancou, a Sword já passou por duas rondas de investimento, com dois grupos de business angels: uma de 150 mil euros em março de 2014 e uma de 250 mil euros em janeiro de 2015. O dinheiro serviu para desenvolver a aplicação móvel e para fazer testes pilotos, em centros de reabilitação e em casa dos pacientes, onde é suposto o software ser utilizado. “O foco tem de ser em casa, porque é onde o paciente quer estar”, sublinha o CEO da Sword.

Os testes foram feitos em Portugal e na China. Por cá, foi feito um piloto com 10 pacientes em casa, com “resultados promissores”, e, no centro Sword no Porto, a empresa já está a tratar 40 pacientes por dia.

A China foi um mercado que apareceu nos planos da Sword pelas suas características, no mínimo, peculiares: tem 13 mil terapeutas para 1,3 milhões de pacientes, ou um terapeuta para cada 100 mil pacientes. “Entrámos na China com um parceiro que tinha acabado de abrir lá um centro de terapia e que se deparou com esse problema: tinha pacientes, mas não tinha terapeutas”.

Em janeiro, a Sword chega também aos EUA, onde vai fazer três grandes testes piloto, com foco em casa dos pacientes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sword Health. A fisioterapia em casa, quando nasce, é para todos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião