Fuck Up Night: O fracasso em minutos

  • Ana Luísa Alves
  • 28 Setembro 2016

Ir a uma Fuck Up Night é mais do que ouvir histórias de jovens empreendedores que foram do fracasso ao sucesso. É perceber como é que na falha há uma oportunidade para mudar.

O fracasso também sobe ao palco. Exemplo disso é a Fuck Up Night (FUN), que aconteceu no fim do dia 21 de setembro, num dos salões da Reitoria da Universidade de Lisboa. Ao palco subiram quatro oradores e quatro histórias diferentes, mas com uma coisa em comum: todos eles fracassaram nos seus negócios antes de terem sucesso.

As FUN chegaram a Portugal pela mão de Sofia Ferreira Simões, da Smart Launch, um projeto que pretende ajudar jovens empreendedores.

“É por falta de determinação nossa que desistimos muito hoje em dia, e com muita facilidade, tendo a ideia de que as coisas são mais difíceis, sobretudo a nível económico”, refere Sofia, acrescentando que o principal motivo que o traz ao evento é o de inspirar jovens empreendedores, para mostrar que é possível recuperar depois de um problema”.

O ambiente é descontraído, mas não há muito tempo para Filipa Laranjeira, da Uniplaces, Filipe Carvalho, da Wide Scope, André Almeida, da Startup Grind, e Miha Matlievski, da Fail Coach, falarem das suas experiências.

“Não acredito em falhar”, começa Filipa, captando desde início a atenção de quem a ouve. “O fracasso não é mais do que uma aprendizagem. Se algo não está a correr bem é porque eu tinha de aprender com isso”, acrescenta. Para Filipa o fracasso tem a mesma “conotação negativa” do sucesso, isto “se o sucesso quiser dizer apenas dinheiro ou estatuto, então sim, já falhei algumas vezes”.

Filipe Carvalho, da consultora Wide Scope, é o orador que se segue. Com algum humor, distingue as diferentes fases em que mais se erra num negócio. “É fácil falhar na criação do produto, no desenvolvimento da ideia, mas é ainda mais fácil falhar depois do almoço”. A Wide Scope existe desde 2003, mas no início foi difícil não ter qualquer tipo de financiamento ou contactos, o que levou a que durante anos se pisasse terreno incerto quanto ao futuro do negócio. “O meu maior arrependimento é ter pensado que podia tomar certas decisões sem saber que riscos corria”, acrescenta Filipe.

O brasileiro André Almeira começou em 2013 uma startup com um grupo de amigos. “Investimos muito dinheiro, mas a certa altura todos desistiram”, conta André. Para o diretor da Startup Grind, a maior falha que pode ser cometida é não trabalhar numa empresa antes de iniciar o seu próprio negócio, algo que considera essencial.

O último orador aterrou na Universidade de Lisboa diretamente da Eslovénia. Miha Matlievski, da Fail Coach relembra a criação da empresa em 2009, momento em que viu a sua empresa de energia cair. “Pensava que já sabia tudo, que vendia bem, não precisava de mais nada, até que perdi milhões de euros em apenas duas semanas”, conta Miha. Viviam-se tempos de recessão económica, iniciada em 2008, e o empresário esloveno precisou de quatro anos para reaver o dinheiro perdido. Confessa que mudou de atitude, aprendeu a partilhar as suas ideias e que precisou que outros empreendedores o orientassem.

As Fuck Up Nights (FUN) tiveram origem no México, em 2012, quando um grupo de amigos decidiu partilhar as suas histórias de modelos de negócio fracassados antes de atingirem o sucesso. O êxito deste evento foi tal que não se ficou pelo México, e hoje em dia acontece em mais de 160 cidades do globo.

Editado por Mónica Silvares

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Fuck Up Night: O fracasso em minutos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião