Há um novo Panama Papers, mas nas Bahamas

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) divulgou esta quarta-feira uma nova investigação sobre offshores, desta vez nas Bahamas. Foram identificados 28 cidadãos portugueses.

Do Panama para as Bahamas, a diferença para este último leak ainda é grande: desta vez são 1,3 milhões de ficheiros relativos a 176 mil companhias para analisar, em contraste com os 11,5 milhões de documentos do Panama Papers. A nova investigação sobre offshores identificou 28 cidadãos portugueses e 22 estrangeiros residentes em Portugal, conta o Expresso, um dos parceiros do consórcio.

A informação chegou novamente às mãos do jornal alemão Süddeutsche Zeitung, o mesmo dos Panama Papers, e tem documentos desde 1990. Ao todo são 25 mil administradores e funcionários visados. Aparecem 28 portugueses como administradores em 38 empresas offshore.

Esta quarta-feira o Expresso divulgou o caso do sobrinho-neto do fundador da Fundação Calouste Gulbenkian, Micael Gulbenkian, o ex-presidente da ONI e atual administrador da Oi, Pedro Morais Leitão, o ex-presidente do Banif, Joaquim Marques dos Santos, o ex-presidente executivo do Banif, Carlos Duarte de Almeida e Rui Salvador, “o rosto de um dos maiores esquemas de bula na Península Ibérica”, apelida o Expresso.

Banif tinha offshore para negociar no continente americano

A investigação revela que o Banif tinha, pelo menos, duas offshore nas Bahamas. Uma criada em 1995 servia para dar “apoio adicional às operações de trade finance do grupo no continente americano, detendo uma carteira de instrumentos de trade finance (letras, promissórias, etc) para posterior venda e distribuição a terceiros”, segundo um relatório de contas do banco, cita o Expresso.

A outra foi criada em 2005 com o mesmo propósito e, segundo a investigação, a 30 de junho de 2012, tinha um ativo de 87 milhões de dólares. O artigo refere ainda a GB Managers que, não constando do relatório do Banif, foi incorporada a dezembro de 2011.

Administrador da Oi ligado a uma offshore nas Bahamas

Chama-se Mare Nostrum a companhia onde o atual administrador da Oi aparece. Também como administradores, revela a investigação, aparecem os nomes do antigo administrador do Metropolitano de Lisboa, José Maria Franco O’Neill, e o ex-administrador do grupo de media Cofina e um dos sócios do escritório de advogados CCAOntier, Carlos Barbosa da Cruz.

Não se sabe a finalidade da empresa, mas Carlos Barbosa da Cruz defendeu-se dizendo que o “cargo na sociedade em referência, aliás sem atividade, processa-se no quadro de um mandato profissional”.

O ICIJ ressalva que “ao contrário dos Panama Papers, cuja fuga de informação foi divulgada pelo ICIJ em abril, o acervo não inclui e-mails ou contratos relacionados com essas companhias ou quem são os seus beneficiários últimos, permitindo no entanto saber nalguns casos quem são as pessoas responsáveis pela administração das offshores e em que altura é que esses cargos foram assumidos”, explica o Expresso.

Editado por Paulo Moutinho

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há um novo Panama Papers, mas nas Bahamas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião