O mau tempo no Brasil pode encarecer o seu pequeno-almoço

  • Marta Santos Silva
  • 26 Setembro 2016

Entre o café, o açúcar e o sumo de laranja, as condições meteorológicas do Brasil estão a afetar a produção - e o preço - de alguns produtos essenciais das manhãs por todo o mundo.

Comece a preparar-se para pagar mais por um café e um sumo de laranja ao pequeno-almoço. É que o mau tempo no Brasil promete fazer subir o preço de alguns dos produtos essenciais da primeira refeição do dia. A produção de café, em especial dos grãos de variedades robusta e arábica, está a ser afetada por um período de seca, a região produtora de açúcar está a braços com um problema de gelo que está a diminuir as colheitas, e as zonas de pomares de cítricos estão a receber demasiada chuva, reduzindo a produção de laranjas.

Não é só no Brasil, o maior exportador destes três produtos, que os produtos de pequeno-almoço estão a ser afetados. O fenómeno El Niño causou secas em vários países asiáticos que produzem café e açúcar, e no estado norte-americano da Florida, grande exportador de laranjas, as árvores foram afetadas por uma epidemia que reduziu muito a produção.

Esta conjunção já está a levar os preços dos contratos de futuros de açúcar e sumo de laranja aos níveis mais altos dos últimos quatro anos na bolsa de Nova Iorque, escreve esta segunda-feira a Bloomberg. O açúcar cru atingiu preços de 21,273 euros por libra (453 gramas) no dia 22 de setembro, o preço mais alto desde 2012. Também o café, em especial os grãos robusta e arábica, está a subir há vários meses.

Gillian Rutherford, consultora na Pacifict Investment Management na Califórnia, disse à Bloomberg que o mercado de açúcar está a ficar cada vez mais apertado. “Há espaço para o açúcar mudar explosivamente se, por exemplo, a produção na Índia for muito mais baixa do que as expectativas”, exemplificou.

O gestor de portfolio Ben Ross, da Cohen & Steers Capital Management, por sua vez, disse à Bloomberg que uma melhoria nas condições meteorológicas no Brasil ainda poderia salvar a produção, vindo baixar os preços. Sublinhou ainda que mesmo que se mantenha o mau tempo e a produção reduzida, os preços altos podem acabar por se sabotar a si próprios. “A certo ponto, os preços acabam por prejudicar a procura”, disse Ross. Segundo a Bloomberg, o consumo de sumo de laranja já abrandou nos Estados Unidos.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O mau tempo no Brasil pode encarecer o seu pequeno-almoço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião