Portugueses atestam com simples… nos postos das marcas

Os portugueses já se habituaram aos combustíveis simples. São a preferência de mais de dois terços dos consumidores.

Os combustíveis simples são cada vez mais a opção dos consumidores na hora de atestarem o depósito do automóvel. Representam mais de dois terços dos litros de gasolina e gasóleo vendido, mas a maior fatia destes produtos não é abastecida nos postos dos hipermercados. As marcas de referência levam a melhor.

Passaram a ser obrigatórios em todos os postos há ano e meio, mas rapidamente conquistaram o mercado à custa de preços mais baixos. De acordo com os dados da Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis (ENMC), os simples apresentaram uma quota de 68,1% no gasóleo e de 67,84% na gasolina, em julho.

Há uma preferência pelos simples quando é necessário abastecer o depósito dos automóveis a gasóleo comprovada pela maior quota destes produtos no diesel. Mais de dois em cada três litros vendidos é simples, ou seja, sem aditivações. A quota dos aditivados no diesel está em 31,9%.

"Há uma preferência pelos simples quando é necessário abastecer o depósito dos automóveis a gasóleo comprovada pela maior quota destes produtos no diesel. Mais de dois em cada três litros vendidos é simples, ou seja, sem aditivações. A quota dos aditivados no diesel está em 31,9%.”

ENMC

Apesar de a aposta recair nos simples, o grosso destes produtos não é abastecido nos postos das grandes superfícies comerciais que há muito já os comercializavam. Segundo a entidade liderada por Paulo Carmona, as marcas de referência dominam o mercado. As três marcas mais vendidas têm uma quota de 60,14% nos combustíveis.

A representatividade das grandes marcas é mais expressiva no caso da gasolina, representando 63,87% das vendas contra 59,06% no caso do diesel. Os hipermercados são responsáveis por 16,2% e 19,72% das vendas, respetivamente, sendo que os outros postos ficam com cerca e 20%, nota a ENMC.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses atestam com simples… nos postos das marcas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião